Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Haraz N. Ghanbari/AP
Haraz N. Ghanbari/AP

Obama nega crise entre EUA e Israel

Presidente, contudo, reiterou condenação a novos assentamentos israelenses

Reuters e Associated Press,

17 de março de 2010 | 19h39

O presidente Barack Obama afirmou nesta terça-feira, 17, que não existe uma crise nas relações bilaterais entre os Estados Unidos e Israel, apesar de uma das piores tensões em anos vividas pelos dois lados.  

 

Veja também:

especialEspecial: Dez momentos do governo Obama

linkObama diz não se preocupar com procedimentos para aprovar reforma na saúde

linkAtrito entre Israel e EUA pode favorecer a paz, diz Lula na Cisjordânia

 

 Segundo o líder americano, apesar das discórdias atuais, os Estados Unidos e Israel têm uma relação especial que não será rompida. "Amigos discordam algumas vezes", disse o governante em entrevista ao canal Fox News. 

 

"Israel é um de nossos aliados mais próximos, e nós e os israelenses temos uma relação especial que não será rompida", disse o presidente.

 

Obama, contudo, reafirmou que o anúncio de Israel de que construirá mais assentamentos, feito durante a visita do vice-presidente americano Joe Biden ao país, "era uma escolha lamentável" do país, a qual não ajudará o processo de negociações de paz entre Israel e palestinos.

 

A atitude de Israel gerou represálias da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, de Biden e do próprio Obama.

 

IRÃ

 

Obama também afirmou na entrevista que um Irã nuclearmente armado poderia desencadear uma corrida armamentista no Oriente Médio, algo que sua administração quer evitar.

 

Para o presidente, que deu ênfase aos seus esforços junto a comunidade internacional para isolar o Irã, uma das maiores prioridades de seu governo é fazer com que o Teerã continue sem a bomba atômica.

 

A República Islâmica acelerou seu programa nuclear, apesar da ameaça de novas sanções por parte da ONU, mas os EUA e alguns de seus aliados afirmam que uma nova rodada de penalidades ao país pode fazer com que o Irã volte às negociações.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUAIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.