Luke Sharrett/The New York Times
Luke Sharrett/The New York Times

Obama pede a republicanos que colaborem com democratas

Presidente garantiu escutar sugestões da oposição e afirmou querer mudanças em Washington

Efe,

29 de janeiro de 2010 | 21h02

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta sexta-feira, 29, ao Partido Republicano para colaborar com ele e os democratas para levar adiante a legislação do país, após um ano de reprovações mútuas.

 

Um ano de Obama:

linkBalanço: Expectativas altas prejudicam 1º ano

linkEconomia: Recuperação não é consenso

linkEntrevista: Crescimento será menor, diz Nobel

blog Patrícia C. Mello: Do messiânico ao prosaico

especial Especial: Dez momentos do primeiro ano 

documento Artigo: Falta ação concreta a Obama

 

Obama compareceu hoje a uma reunião em Baltimore (Maryland) dos congressistas republicanos para tentar pôr fim à estagnação dos últimos meses e buscar uma maior colaboração, agora que os democratas perderam a maioria absoluta no Senado.

 

Os republicanos reprovam a Casa Branca e os líderes parlamentares democratas, que não os escutaram ao longo do primeiro ano de mandato, enquanto Obama se queixa da obstrução a suas propostas que, segundo sua opinião, praticou a oposição.

 

"Os eleitores não querem mais bloqueios. Não querem mais partidarismo. Não querem mais obstrução. Não votaram em nós para que brigássemos em uma jaula para ver quem sai vivo", disse Obama.

 

O presidente americano assegurou que escutará as ideias republicanas e declarou que adotou algumas delas em áreas como o corte de impostos e a reforma da saúde.

 

Por outro lado, lamentou que os republicanos tenham adotado uma "política do não" para bloquear a legislação criada pelos democratas e que, segundo ele, beneficiariam os americanos, como a reforma do sistema de saúde.

 

 

"Quero que mantenhamos um debate construtivo. O que não quero... é que Washington continue sendo como é", destacou.

 

Sobre a reforma sanitária, Obama disse que os republicanos a caracterizaram "por assim dizer como um plano bolchevique". "Temos que pensar no tom que usamos", falou Obama, acrescentando: "Ambas as partes devem aceitar uma parcela de culpa pelo ambiente ruim entre os dois partidos".

 

Já o líder republicano na Câmara de Representantes (Deputados), John Boehner, assegurou que seu partido apoiou Obama em algumas ocasiões nas quais pensou que ele tinha razão, como no envio de mais soldados ao Afeganistão.

 

"Não esperamos que o senhor esteja de acordo com cada uma de nossas soluções, mas esperamos que o senhor e sua administração as levem em conta", disse Boehner ao entregar a Obama um volume com as propostas de seu partido.

 

O organizador do encontro, o congressista Mike Pence, afirmou que os republicanos na Câmara de Representantes dão "as boas-vindas a qualquer ocasião de apresentar nossas melhores soluções".

 

Obama já tentou uma certa aproximação aos republicanos em seu discurso sobre o Estado da União na quarta-feira, no qual incluiu propostas para cortes de impostos às pequenas empresas.

 

Os republicanos esperam ganhar cadeiras em detrimento dos democratas nas eleições legislativas de novembro, quando se renovará toda a Câmara de Representantes e um terço do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.