Obama pede acordo climático que não divida ricos e pobres

Obama pede acordo climático que não divida ricos e pobres

Obama falou à cúpula de mudanças climáticas da ONU visando construir um momento político para um acordo global sobre o clima em 2015

REUTERS

23 de setembro de 2014 | 15h43

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse na terça-feira que um novo acordo global sobre mudanças climáticas precisa incluir fortes compromissos das economias emergentes e superar a divisão entre países ricos e pobres que conteve o progresso em negociações na ONU.

Obama falou à cúpula de mudanças climáticas da ONU visando construir um momento político para um acordo global sobre o clima em 2015 e apresentando uma lista de compromissos novos e antigos que seu governo fez para abordá-los.

Ele afirmou que um novo "compacto global" precisa incluir fortes comprometimentos de algumas das economias emergentes do mundo, que irão aumentar a quantidade de gases do efeito estufa emitidos conforme suas economias continuam a crescer.

"Desta vez precisamos de um acordo que reflita as realidades econômicas nas próximas décadas", disse Obama. "E ele deve ser ambicioso, pois é o que a escala desse desafio exige".

Antes de assumir o púlpito, Obama disse ter encontrado o vice-premiê chinês, Zhang Gaoli, e os dois concordaram que os dois principais emissores do mundo "têm uma responsabilidade em liderar".

(Reportagem de Valerie Volcovici)

Mais conteúdo sobre:
EUAOBAMACLIMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.