Obama pede ao Congresso que evite novas sanções ao Irã

O presidente norte-americano, Barack Obama, pediu ao Congresso nesta segunda-feira para resistir à tentação de aprovar novas sanções econômicas contra o Irã e disse que, em vez disso, os parlamentares deveriam dar uma chance à diplomacia e à paz.

Reuters

13 de janeiro de 2014 | 20h21

Muitos no Senado estão ansiosos para apoiar novas sanções contra o Irã devido ao seu programa nuclear, um movimento que a Casa Branca teme que prejudicaria os esforços diplomáticos delicados com Teerã que recentemente levaram a um acordo provisório.

Obama levantou a questão do Irã ao conversar com repórteres durante uma aparição no Salão Oval com o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy.

Ele disse que um acordo provisório alcançado entre o Irã e potências mundiais, incluindo os Estados Unidos, vai ser difícil e desafiador.

"Minha preferência é pela paz e diplomacia, e esta é uma das razões pelas quais eu já enviei uma mensagem ao Congresso dizendo que agora não é a hora de impormos novas sanções", disse Obama. "Agora é a hora de permitir que os diplomatas e especialistas técnicos façam o seu trabalho."

Obama disse que se Teerã cumprir o acordo "então eu não tenho nenhuma dúvida de que poderão ser abertas oportunidades extraordinárias para o Irã e seu povo".

Mas se o país se recusar, disse ele, então "estamos em posição de reverter qualquer acordo provisório e colocar no lugar uma pressão adicional para se certificar de que o Irã não obtenha uma arma nuclear".

Obama afirmou que a comunidade internacional será capaz de monitorar e verificar se o acordo provisório está sendo seguido pela República Islâmica.

"E se não estiver, estaremos em uma posição forte para responder. Mas o que nós queremos fazer é dar à diplomacia uma chance e dar uma chance à paz", acrescentou.

(Reportagem de Steve Holland e Mark Fesenthal)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.