Obama pede moderação nas tensas disputas asiáticas

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu a líderes asiáticos que contenham as tensões no Mar do Sul da China e em outros territórios disputados, mas não chegou a apoiar firmemente os aliados Japão, Filipinas e Vietnã em suas disputas com a China.

JEFF MASON E JASON SZE, Reuters

20 de novembro de 2012 | 09h03

Os comentários de Obama em uma reunião de cúpula regional ilustram como ele pretende gerenciar laços sino-norte-americanos que se tornaram mais tensos em uma série de questões, incluindo comércio, espionagem comercial e as disputas territoriais entre Pequim e aliados asiáticos de Washington.

"A mensagem do presidente Obama é de que é necessário haver uma redução das tensões", disse o vice-conselheiro de Segurança Nacional, Ben Rhodes, após a Cúpula do Leste Asiático na capital do Camboja, Phnom Penh.

"Não há nenhuma razão para arriscar qualquer escalada potencial, especialmente quando você tem duas das maiores economias do mundo --China e Japão-- associada a algumas dessas disputas".

A resposta diplomática veio ao final de uma viagem de três dias de Obama a Tailândia, Mianmar e Camboja, em uma visita que destaca a expansão dos interesses militares e econômicos dos EUA na Ásia.

Em seu primeiro encontro com um líder chinês desde sua reeleição, Obama disse que Washington e seu principal rival econômico devem trabalhar juntos para "estabelecer regras claras para o caminho" de comércio e investimento.

"É muito importante que, como duas das maiores economias do mundo, nós trabalhemos para estabelecer regras claras no caminho internacional para o comércio e o investimento", disse Obama ao premiê chinês, Wen Jiabao. O presidente dos EUA, no entanto, não chegou a acusar a China de violar essas regras.

(Reportagem adicional de Mark Felsenthal, Stuart Grudgings, Prak Chan Thul, Manuel Mogato e James Pomfret)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAOBAMAASIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.