Obama propõe incentivos fiscais para fomentar criação de emprego nos EUA

Medidas incluem deduções tributárias para empresas que adquirirem equipamentos e para as tecnologias limpas

EFE,

16 de outubro de 2010 | 08h07

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, implementou neste sábado, 16, uma série de medidas fiscais para fomentar a criação de emprego, que incluem deduções tributárias para as empresas que adquirirem equipamentos e para as tecnologias limpas.

 

Em seu discurso semanal dos sábados, o líder americano indicou que, após ter promulgado em setembro uma lei de ajuda às pequenas e médias empresas, propôs "medidas adicionais para fazer com que a economia cresça e propiciar as contratações em toda parte nos Estados Unidos".

 

Durante anos, explicou, o código tributário americano ofereceu vantagens que encorajam a geração de empregos e a obtenção de lucros em outros países. "Quero eliminar essas lacunas tributárias", declarou Obama. A proposta anunciada pelo presidente é um corte tributário às empresas para que possam deduzir o custo dos equipamentos que comprarem no ano que vem. Em sua opinião, isso facilitará que as empresas "realizem expansões e contratem novos funcionários".

 

Além disso, o Governo americano pretende tornar permanente o atual crédito tributário temporário para pesquisa e inovação. "Promover novas ideias e tecnologia é a maneira como geraremos empregos e manteremos nossa vantagem como motor mundial das descobertas e da inovação", explicou.

 

Obama também propõe um corte tributário para a produção industrial de energias limpas nos Estados Unidos, para fomentar que o país se transforme em líder mundial deste setor. O governante aproveitou o discurso para criticar a oposição republicana. Segundo ele, embora essas propostas sejam "ideias de bom senso", a oposição "sempre lutou para manter as lacunas legais para as empresas" que fomentam o investimento no exterior.

 

Nos últimos quatro anos, continuou Obama, os republicanos votaram 11 vezes na Câmara de Representantes para manter essa lacuna legal, "uma política que custa aos contribuintes bilhões de dólares por ano". Embora muitas multinacionais façam uma importante contribuição à economia americana, "não há motivo pelo qual nosso código tributário deva recompensá-las ativamente por gerar empregos no exterior", declarou o presidente.

 

"Em seu lugar, devemos usar o dinheiro dos contribuintes para recompensar as empresas que gerem empregos e atividades econômicas dentro de nossas fronteiras", encerrou Obama.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosObamaincentivos fiscais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.