Obama que US$ 100 mi do orçamento para fechar Guantánamo

Valor é pequeno se comparado aos US$ 83,4 bi para guerras; proposta para o ano fiscal de 2010 é de US$ 3,6 tri

Agência Estado e Dow Jones,

07 de maio de 2009 | 12h34

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, quer US$ 100 milhões do orçamento para fechar a prisão da baía de Guantánamo, em Cuba, depois de os democratas da Câmara terem recusado um pedido semelhante num projeto de lei para os gastos com as guerras no Afeganistão e no Iraque para o restante de 2009.

 

O presidente havia incluído um pedido de US$ 80 milhões para o fechamento da prisão num projeto de US$ 83,4 bilhões para os gastos de guerra apresentado ao Congresso no mês passado. O valor revisado de US$ 100 milhões foi incluído no orçamento de US$ 3,6 trilhões de Obama para o ano fiscal de 2010.

 

O pedido é pequeno se comparado ao custo total das guerras ou do orçamento de US$ 3,6 trilhões. Ainda assim, o pedido inicial provocou uma forte reação de legisladores que não aceitam a ideia de levar detentos de Guantánamo para o território norte-americano.

 

O presidente do Comitê de Apropriações, David Obey, divulgou, na semana passada, sua versão do projeto de lei para fundos de guerra, do qual não faz parte os recursos para o fechamento de Guantánamo. Obey disse estar relutante em estabelecer a verba até que o presidente detalhe suas propostas sobre o que fazer com os prisioneiros do local.

 

O Senado não divulgou detalhes de seu projeto de lei para fundos de guerra, embora não se espere que vá incluir dinheiro para Guantánamo. No início desta semana, o líder da maioria democrata, senador Harry Reid, disse que também prefere saber dos detalhes da política do presidente antes de apoiar a liberação de fundos para o fechamento da prisão.

 

Em janeiro, Obama prometeu fechar a prisão no prazo de um ano, alterando uma das políticas mais impopulares do ex-presidente George W. Bush. O anúncio recebeu grande aprovação nos Estados Unidos e em todo o mundo. Mas os aplausos cessaram quando o problema passou a ser o que fazer com os presos que estão em Guantánamo.

 

O pedido para a liberação de fundos para o ano fiscal de 2010 não deve resultar em tantas críticas porque dará ao presidente cerca de seis meses para esclarecer qual será sua política para os detentos.

Tudo o que sabemos sobre:
GuantánamoEUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.