Obama quer Assad fora; proíbe importações de petróleo sírio

O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou nesta quinta-feira que chegou o momento do presidente sírio, Bashar al-Assad, renunciar, e disse que os EUA estavam impondo duras sanções para ajudar a encerrar a violência na Síria.

REUTERS

18 de agosto de 2011 | 10h51

"O futuro da Síria precisa ser determinado por seu próprio povo, mas o presidente Bashar al-Assad está no caminho deles", afirmou Obama, em comunicado.

O governo norte-americano decidiu congelar todos os ativos do governo sírio nos Estados Unidos, além de banir importações de petróleo e derivados de origem síria.

As sanções também proíbem que entidades norte-americanas, independente de onde estão localizadas, participem de qualquer transação ou negociação relacionadas a produtos de petróleo sírios.

O governo norte-americano também criou uma nova lista negra de empresas sírias, que inclui a estatal General Petroleum Corporation, que controla a indústria de petróleo e gás natural do país.

(Reportagem de Rachelle Younglai)

Tudo o que sabemos sobre:
EUASIRIASANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.