Jason Reed/Reuters
Jason Reed/Reuters

Obama quer rapidez na aprovação da legislação de empregos

Presidente propôs medidas para reduzir o desemprego no país durante encontro bipartidário

Reuters e Efe,

09 de fevereiro de 2010 | 17h50

O presidente Barack Obama disse nesta terça-feira, 9, esperar que os legisladores dos Estados Unidos se movimentem rapidamente para entregar a nova legislação de incentivo ao aumento de empregos, mas reconheceu que o pacote poderá não conter todas as ideias que a Casa branca propôs.

 

Um ano de Obama:

linkBalanço: Expectativas altas prejudicam 1º ano

linkEconomia: Recuperação não é consenso

linkEntrevista: Crescimento será menor, diz Nobel

blog Patrícia C. Mello: Do messiânico ao prosaico

especial Especial: Dez momentos do primeiro ano 

documento Artigo: Falta ação concreta a Obama

 

Obama afirmou, após uma reunião com líderes democratas e republicanos do Congresso, que, para um pacote de empregos abrangente, poderiam ser necessários passos legislativos adicionais.

 

O encontro ocorreu duas semanas depois que o mandatário anunciou em seu discurso sobre o Estado da União que a criação de empregos será "o objetivo principal de 2010", e pediu ao Congresso um projeto de lei para gerar empregos neste ano.

 

"Minha esperança é que ambos (os partidos) na Câmara e no Senado já estejam negociando alguns planos nas próximas semanas que possam servir para reativar a contratação e começar a reduzir o desemprego", disse Obama.

 

Durante seu discurso no encontro, o presidente propôs uma série de medidas para criar postos de trabalho, tais como usar U$S 30 milhões de Wall Street para aumentar o crédito concedido por bancos comunitários a empresas, fazendo com que essas contratem mais pessoas. Obama também propôs um incentivo fiscal para empresas que aumentem o número de seus funcionários ou elevem os salários.

 

O mandatário manteve a promessa de dobrar as exportações nos próximos cinco anos, o que criaria dois milhões de empregos, segundo ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.