Obama quer US$ 83,4 bi para guerras do Iraque e Afeganistão

Porta-voz da Casa Branca afirma que verba 'suplementar' foi encaminhada para o Congresso nesta quinta-feira

Agências internacionais,

09 de abril de 2009 | 18h36

O presidente norte-americano, Barack Obama, pediu ao Congresso nesta quinta-feira 83,4 bilhões de dólares para financiar operações militares no Iraque e no Afeganistão em 2009, dizendo que a situação de segurança ao longo da fronteira entre Afeganistão e Paquistão é urgente.

"O Taleban está ressurgindo e a Al Qaeda ameaça a segurança da América de seu porto seguro ao longo da fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão", disse Obama em uma carta para Nancy Pelosi, a presidente da Câmara dos Deputados, divulgada pela Casa Branca.

Obama afirmou que 95% dos 83,4 bilhões de dólares em financiamento suplementar requerido por ele darão suporte às operações militares dos Estados Unidos no Iraque e o esforço norte-americano para desorganizar e derrotar a al Qaeda.

 

Desse total, US$ 75,8 bilhões seriam destinados ao Pentágono, e haveria também verbas para ajuda ao Afeganistão, ao Paquistão, aos territórios palestinos e ao combate contra os cartéis de traficantes no México. "Os esforços no Iraque e Afeganistão só têm financiamento até metade do ano fiscal", disse o porta-voz da Casa Branca Robert Gibbs. "O processo honesto de orçamento e destinação de verbas sobre o qual o presidente falou se torna de certa forma vítima do fato de que essa é a forma como as guerras foram custeadas anteriormente", disse Gibbs em entrevista coletiva.

 

Vários parlamentares criticavam o governo de George W. Bush por custear as guerras por meio de solicitações orçamentárias suplementares, e o presidente Barack Obama havia prometido que incluiria a maior parte dos gastos bélicos no orçamento regular. Mas a Casa Branca disse que teve de fazer o pedido suplementar porque as guerras estão apenas parcialmente custeadas para o resto do atual ano fiscal, que vai até 30 de setembro.

 

(Atualizada à 0h04)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraqueAfeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.