Obama recebe líderes do Congresso para discutir projetos

Obama recebe líderes do Congresso para discutir projetos

Presidente se comprometeu a trabalhar com republicanos, mas diferenças existem em temas como saúde e imigração

O Estado de S. Paulo

07 de novembro de 2014 | 08h58

WASHINGTON - Os republicanos vitoriosos nas eleições legislativas de terça-feira nos Estados Unidos vão se encontrar com o presidente democrata Barack Obama nesta sexta-feira, 7, enquanto os dois lados avaliam quais projetos podem ser aprovados nos próximos meses, apesar dos anos de confronto.

Na preparação para o almoço na Casa Branca, ficou claro que Obama e os republicanos, que terão o controle do Congresso a partir do próximo ano, continuam nessa fase pós-eleição em posições contrárias, assim como antes da votação de 4 de novembro.

O presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, e o senador Mitch McConnell, que deve se tornar o novo líder da maioria do Senado em janeiro, disseram que pretendem encaminhar projetos de lei que revogam total ou parcialmente a reforma do sistema de saúde promovida por Obama, conhecida como Obamacare.

Obama respondeu que ignorará os avisos republicanos e usar os poderes executivos que possui para aliviar algumas restrições sobre residentes em situação irregular, uma vez que os republicanos da Câmara se recusam a levar adiante a reforma imigratória.

"Encontrar um terreno comum será um trabalho duro. Mas será ainda mais difícil se o presidente não estiver disposto a trabalhar com a gente", disse Boehner na quinta-feira.

A Casa Branca adotou um tom mais otimista antes da reunião, dizendo que Obama se comprometeu a trabalhar com os republicanos sobre questões de interesse comum, como infraestrutura, reforma tributária e comércio internacional, apesar das diferenças em temas como saúde e imigração.

A reunião desta sexta deve se concentrar em alguns dos principais projetos de lei que devem ser aprovados de imediato. Será o "velho" Congresso, que termina sua legislatura em meados de dezembro e tem um Senado democrata confrontando uma Câmara republicana, que precisa aprovar essas leis.

No topo da lista está uma proposta orçamentária de US$ 1 trilhão para manter o governo em funcionamento para além 11 de dezembro, quando o financiamento atual se esgota. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.