Jason Reed/Reuters
Jason Reed/Reuters

Obama sai pelos EUA em campanha

Presidente quer recuperar apoio aos Democratas para eleições legislativas de 2 de novembro

Reuters

28 de setembro de 2010 | 08h52

ALBUQUERQUE - O presidente dos EUA, Barack Obama, viaja nesta semana pelo país para tentar recuperar o entusiasmo dos eleitores - especialmente os mais jovens - pelo seu partido, o Democrata, ameaçado de perder a maioria do Congresso na eleição parlamentar de 2 de novembro.

 

A partir de terça-feira em Albuquerque, (Novo México), e depois em Des Moines (Iowa) e Richmond (Virginia), Obama participará de pequenos eventos voltados para eleitores de classe média, um formato que vem sendo adotado recentemente.

Também na terça-feira, em comício na Universidade de Wisconsin, Obama fará um apelo ao eleitorado jovem, um contingente que o apoiou em peso na eleição presidencial de 2008, com apoio de astros da música, do cinema e da TV.

Naquela época, a popularidade de Obama ajudou os democratas a fazerem maioria na Câmara e no Senado. Agora, esse entusiasmo diminuiu, em grande parte devido às dificuldades da economia, com um desemprego que continua próximo da marca dos 10 por cento.

Analistas dizem que Obama põe sua reputação em risco ao sair em campanha. "Em geral, as eleições do meio de mandato são ruins para os presidentes de primeiro mandato, e atualmente as taxas de aprovação dele não são boas", disse Julian Zelizer, especialista em políticas públicas da Universidade Princeton. "Isso significa que os resultados poderiam ser os mesmos em novembro, e ele daria munição para uma manchete sobre como ele foi ineficaz."

Em teleconferência com estudantes de jornalismo na segunda-feira, Obama admitiu que o entusiasmo do eleitorado desapareceu desde sua posse. "A questão, entretanto, é que não dá para ficar de fora (da campanha). Não dá para de repente só dar as caras a cada dez anos mais ou menos, numa eleição presidencial animada, e depois não prestar atenção durante as grandes eleições de meio do mandato, onde temos uma grande escolha real entre democratas e republicanos", afirmou.

O comício em Madison, Wisconsin, com participação do cantor Ben Harper, será o primeiro de uma série com a qual os organizadores esperam desencadear uma mobilização semelhante à de 2008. Mas, a apenas cinco semanas das eleições, isso pode ser difícil.

A taxa de aprovação de Obama caiu de mais de 60% há um ano e meio para cerca de 45% nos últimos meses. Os republicanos, beneficiando-se do crescimento do movimento conservador Tea Party, têm conseguido provocar muito mais entusiasmo nesta campanha do que os democratas.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaEUAcampanhaeleiçõesDemocratas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.