Obama se desculpa por gafe com portadores de deficiência

Em talk show, presidente comparou sua habilidade no boliche à de participantes das Olimpíadas Especiais

Reuters

20 de março de 2009 | 13h38

O presidente Barack Obama pediu desculpas por uma gafe na qual comparou sua habilidade como jogador de boliche à de participantes das Olimpíadas Especiais, um programa esportivo para portadores de deficiências mentais. Obama cometeu o engano durante entrevista que concedeu na noite de quinta-feira ao programa de TV "The Tonight Show" ,apresentado por Jay Leno. Foi a primeira vez que um presidente norte-americano em exercício compareceu ao programa.

 

Veja também:

video Assista ao vídeo da gafe no talk show

video Em vídeo, Obama propõe 'novo começo' nas relações com o Irã

Falando sobre a vida na Casa Branca, Obama disse que vem treinando jogar boliche na pista de boliche da residência presidencial e que fez 129 pontos, de um total possível de 300. Foi melhor do que os constrangedores 37 que ele marcou numa parada da campanha presidencial, um ano atrás.

"Foi como as Olimpíadas Especiais, ou algo assim," disse Obama. As Olimpíadas Especiais são organizadas por uma organização global sem fins lucrativos que atende a 200 milhões de portadores de deficiências intelectuais, com presença em quase 200 países no mundo, incluindo o Brasil. Os deficientes competem em eventos esportivos variados.

Pouco depois da entrevista a Jay Leno, Obama telefonou para o presidente das Olimpíadas Especiais, Tim Shriver, para se desculpar. Shriver disse ao programa de TV "Good Morning America", da ABC, que Obama pediu desculpas "de uma maneira que achei muito comovente" e que disse "que não teve a intenção de humilhar a população, não quis constranger ninguém nem dar a ninguém mais causa para dor ou sofrimento".

Shriver disse que as pessoas devem tirar uma lição desse incidente. "É importante enxergar que as palavras podem machucar. As palavras têm peso. E as palavras, em algumas circunstâncias, podem ser vistas como humilhantes para as pessoas que têm necessidades especiais, podem causar mágoa. E elas resultam em estereótipos."

O porta-voz da Casa Branca Bill Burton disse que Obama "fez uma observação impensada, zombando de sua própria performance ao jogar boliche, sem qualquer intenção de menosprezar as Olimpíadas Especiais."

"Ele acha as Olimpíadas Especiais um programa maravilhoso que dá a pessoas portadoras de deficiências, em todo o mundo, uma oportunidade de brilhar", disse Burton. Shriver falou que sabe de um participante das Olimpíadas Especiais que vive na região de Detroit e já fez 300 pontos três vezes jogando boliche e falou "que ficaria mais que feliz em encontrar tempo para ir à Casa Branca ensinar o presidente a jogar."

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.