Obama se diz 'comovido' com caso de fogo amigo no Iraque

Soldado americano abriu fogo e matou cinco colegas em base militar; presidente lamenta 'terrível tragédia'

Agências internacionais,

11 de maio de 2009 | 17h28

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ter ficado comovido após saber que um soldado americano abriu fogo e matou cinco companheiros em uma base militar no Iraque. O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, qualificou nesta segunda-feira, 11, de "tragédia terrível" o tiroteio em uma clínica voltada a militares com estresse em decorrência da situação de conflito na base americana Camp Liberty, nos arredores de Bagdá.

 

Veja também:

linkSoldado dos EUA mata 5 colegas no Iraque, diz Pentágono

especialEspecial: Guerra no Iraque: do início ao fim

 

Obama, disse Gibbs, deve se reunir ainda nesta segunda mesmo com o secretário de Defesa, Robert Gates, para analisar o caso, afirmou o porta-voz, que assegurou que o presidente, que viajou para Bagdá em abril, quer saber o que aconteceu exatamente. Em entrevista no Pentágono, Gates afirmou, por sua vez, que o Departamento de Defesa ainda se encontra dentro do processo de coleta de informação sobre o incidente.

 

Se, como tudo indica, o soldado atirou contra os companheiros, se trataria de um incidente "muito preocupante", afirmou o secretário. Segundo os últimos dados fornecidos pela Força Multinacional do Iraque, o soldado americano suspeito de envolvimento no tiroteio "se encontra atualmente detido."

 

O tiroteio aconteceu às 8h (de Brasília). O número de mortos no incidente desta segunda-feira é o mais alto de soldados norte-americanos em um único ataque desde 10 de abril, quando um suicida explodiu um caminhão, também matando cinco soldados dos EUA. O ataque de abril ocorreu perto de um quartel da polícia, na cidade de Mossul, norte iraquiano.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.