Charles Dharapak/AP
Charles Dharapak/AP

Obama se reúne com democratas por reforma da saúde

Presidente americano quer destravar impasses para preservar os votos necessários no Senado

AP,

14 de janeiro de 2010 | 09h44

Lutando para alcançar um acordo sobre a reforma do sistema de saúde, o presidente norte-americano Barack Obama planeja para esta quinta-feira, 14, um encontro com líderes democratas para discutir pontos considerados chave para destravar a concretização legislativa do projeto.

 

Veja também:

linkReforma da saúde nos EUA tem novo round

linkObama inicia nova fase na reforma da saúde

 

O encontro de Obama acontece após intensa negociação da Casa Branca com os líderes do partido Democrata. A reforma do sistema de saúde, que é considerada por Obama como prioridade em seu projeto de governo, deverá se estender a mais de 30 milhões de americanos que atualmente não possuem cobertura, permitirá a punição de companhias que se negarem a atender a população e brecará o aumento gradativo das taxas de assistência médica no país.

 

Os Estados Unidos é o único país desenvolvido no mundo que não oferece uma cobertura universal de saúde à população. E o apoio popular à reforma do sistema de saúde continua caindo, provavelmente devido ao polêmico debate no Congresso e à dificuldade de combater problemas como desemprego e déficit nas contas públicas.

 

Nesta última quarta-feira, Obama e o líder do partido Democrata anunciaram que, após longa negociação, alcançaram acordos em alguns pontos, mas que ainda insuficientes para aprovar a reforma. Os democratas ainda se mostram bastante resistentes em relação a algumas concessões que vêm exigindo para preservar os 60 votos necessários para a reforma ser aprovada no Senado. Uma delas é de derrubar a intenção do governo de taxar planos de saúde que cobram valores mais elevados aos assegurados.

 

Os líderes democratas exigem que o governo ofereça um subsídio maior para que os planos de saúde possam ser contratados por um maior número de pessoas de classe média.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.