Obama se reúne com equipe para ser atualizado sobre o Afeganistão

País terá eleições legislativas no próximo sábado; um dos grandes desafios é a corrupção

Efe,

13 de setembro de 2010 | 23h14

WASHINGTON- O presidente Barack Obama se reuniu nesta segunda-feira, 13, com sua equipe de segurança nacional para receber uma atualização sobre a situação no Afeganistão, a cinco dias da realização de eleições legislativas no país.

 

Veja também:

linkForças afegãs dizem estar prontas para garantir segurança das eleições

linkAtaques aéreos matam 14 insurgentes no Afeganistão

 

Segundo a Casa Branca, o embaixador dos Estados Unidos em Cabul, Karl Eikenberry, informou o presidente sobre os "esforços para apoiar uma melhor governabilidade e prestação de contas" sobre o pleito do próximo sábado.

 

Por sua parte, o comandante das tropas dos EUA e da OTAN no Afeganistão, o general David Petraeus, disse que a mobilização dos esforços ordenados em novembro por Obama foi finalizada, e as forças americanas "estão em seu nível operacional mais alto até o momento".

 

Atualmente, cerca de 100.000 soldados americanos estão no país, o número mais alto desde o começo da guerra, em outubro de 2001.

 

Outra das participantes na reunião, a embaixadora americana no Paquistão, Anne Patterson, expôs o andamento das operações contra as inundações que afetaram cerca de 21 milhões de pessoas.

 

O encontro ocorreu no mesmo dia em que o jornal The Washington Post publicou que o governo dos EUA prepara uma mudança em sua estratégia contra a corrupção no Afeganistão, um dos maiores desafios enfrentados pelo país.

 

Em uma coletiva de imprensa na sexta passada, Obama garantiu que continuará pressionando seu colega afegão, Hamid Karzai, para que acabe com a corrupção em seu país.

 

As relações entre Washington e Cabul atravessaram momentos de tensão nos últimos meses devido às pressões americanas para que o governo de Karzai tome medidas contra a extensa corrupção, um dos fatores que os analistas apontam como principais no aumento da popularidade do Taleban.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.