Omissão após chacina de Haditha gera censura contra 3 marines

Três oficiais do Corpo de Marinesdos Estados Unidos receberam na quarta-feira uma repreensãograve, o que pode encerrar suas carreiras, por não tereminvestigado imediatamente uma chacina de civis iraquianosocorrida em novembro de 2005 na cidade de Haditha. Uma investigação sobre o caso concluiu que os três oficiaisnão poderiam ser acusados de ter acobertado o crime. O general Richard Huck e os coronéis Stephen Davis e RobertSokoloski receberam uma "carta secretarial de censura", aadvertência mais severa que existe, o que torna eventuaispromoções dificílimas. Suas patentes podem ser rebaixadas casoeles passem à reserva devido à censura, o que levaria a umaredução do soldo. Existe nas Forças Armadas dos EUA um sistema chamado "sobeou sai" -- se o oficial é preterido duas vezes na lista depromoção, é forçado a deixar a corporação. Testemunhas dizem que 24 homens, mulheres e crianças, todosdesarmados, foram mortos por marines na cidade de Haditha em 19de novembro de 2005, como retaliação por um atentado que haviamatado um militar. A chacina provocou indignação mundial. Os militares fizeram duas investigações depois que o casofoi relatado pela revista Time -- uma que levou a um processopenal contra os supostos autores do massacre, e outra sobre areação dos oficiais ao caso. As cartas de censura da quarta-feira, assinadas pelosecretário de Marinha dos EUA, resultam da segundainvestigação. O Corpo de Marines é parte da Marinha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.