Onda de frio mata 24 pessoas na Américas Central e do Norte

Oeste dos EUA, se preparam para uma série de tempestades de chuva e neve

Efe

05 de janeiro de 2008 | 03h05

A onda de frio que afeta há dias os países da América do Norte e Central, onde já causou a morte de 24 pessoas, ameaça piorar com a chegada de tempestades de neve e chuvas nos Estados Unidos e no México nas próximas horas, alertaram neste sábado os serviços meteorológicos. Os moradores da Califórnia, no oeste dos EUA, se preparam para uma série de tempestades de chuva e neve que poderia causar nas próximas 24 horas blecautes e inundações. O Serviço Nacional de Meteorologia americano indicou neste sábado que a região da Sierra Nevada, no norte do estado, poderia receber fortes tempestades de neve. Devem cair no total 305 centímetros de neve e podem ser registrados ventos de até 160 km/h em zonas montanhosas, segundo as autoridades, que aconselharam os moradores a não saírem de casa e a proteger portas e janelas. No México, onde calcula-se que as baixas temperaturas provocaram vinte mortes neste inverno (desde outubro), o estado noroeste de Baixa Califórnia foi declarado em alerta perante a frente fria que entrará amanhã no território e que poderia causar fortes chuvas. O escritório de Defesa Civil estadual informou neste sábado que na cidade de Tijuana serão habilitados até dez abrigos e acrescentou que foram declaradas várias zonas de risco, principalmente em lugares onde se registraram deslizamentos de terra. Uma massa de ar de origem polar se desloca pela costa leste dos EUA e atingirá Cuba, deixando as temperaturas em um patamar que variará entre 6 e 8 graus Celsius, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia. Na República Dominicana, os termômetros registrarão vários graus a menos, estabilizando em torno dos 16 graus Celsius, o que não ocorria desde a década de 70, informaram as autoridades. Na América Central, a onda de frio já causou quatro mortes e causou danos a milhares de imóveis e a interrupção dos serviços de água e luz. A Comissão Permanente de Contingências (Copeco) de Honduras decretou hoje "alerta verde", de prevenção, em seis dos 18 departamentos do país devido à frente fria, que provocou a morte de uma mulher e uma drástica queda nas temperaturas, com mínimas de 8 e 10 graus Celsius nas regiões mais elevadas. Em El Salvador os fortes ventos, de até 75 km/h, causaram a morte de três pessoas e afetaram mais de 5.472 casas, segundo o Sistema Nacional de Defesa Civil. Na Guatemala, onde os ventos de até 80 km/h provocaram na quarta-feira à noite um blecaute nacional de quatro horas, o Governo declarou "alerta amarelo" pelos danos causados às redes de distribuição de energia. A situação não é muito melhor na Nicarágua, já que pelo menos 15 mil pessoas ficaram sem energia elétrica por causa das rajadas de ventos que afetam o país. A Comissão Nacional de Emergências (CNE) da Costa Rica declarou "alerta verde" perante as fortes chuvas e ventos registrados nesta semana, que deixaram inundações e causaram danos na zona norte e no Caribe do país. No Panamá o Sistema Nacional de Defesa Civil (Sinaproc) informou que os ventos causaram a destruição de imóveis na região oeste do país, fronteira com a Costa Rica, e no norte caribenho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.