Reprodução
Reprodução

Ônibus espacial Endeavour parte para museu na Califórnia

Pegando carona no topo de um jumbo 747 da Boeing, o ônibus espacial Endeavour deixou sua casa na Flórida pela última vez nesta quarta-feira, 19

IRENE KLOTZ, Reuters

19 de setembro de 2012 | 12h11

Pegando carona no topo de um jumbo 747 da Boeing, o ônibus espacial Endeavour deixou sua casa na Flórida pela última vez nesta quarta-feira, 19, e dirigiu-se para a Califórnia para começar uma nova missão, como uma peça de museu.

Depois de esperar dois dias para o tempo melhorar, o jato especialmente modificado partiu do Centro Espacial Kennedy pouco depois do amanhecer nesta quarta-feira, na primeira etapa de uma viagem prevista de três dias para a Costa Oeste.

"Há tristeza em vê-lo partir, mas o programa do ônibus espacial tinha de acabar para nós passarmos para a próxima coisa", disse o astronauta Greg Chamitoff.

A Nasa aposentou sua frota de três naves no ano passado, depois de completar a participação dos EUA na Estação Espacial Internacional, projeto de 100 bilhões de dólares que é um complexo de pesquisa com equipe permanente controlado por 15 nações e está em órbita a cerca de 400 quilômetros acima da Terra.

A agência está desenvolvendo uma nave espacial e um foguete que possam levar astronautas até a Lua, asteróides e eventualmente Marte. O primeiro voo com uma tripulação, no entanto, não é esperado até 2021.

Atualmente, a Rússia leva astronautas da Nasa para a estação espacial, a um custo de mais de 65 milhões de dólares por assento. A Nasa espera comprar passeios de empresas comerciais a partir de 2017.

O Endeavour foi construído como um substituto para o Challenger, o ônibus perdido em um acidente de lançamento em 1986 que matou sete astronautas.

O Endeavour realizou 25 missões, incluindo 12 para construir e equipar a estação espacial.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAENDEAVOURMUSEU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.