Operadora de Fukushima suspende novo sistema de reciclagem de água radioativa

Um dos componentes utilizados no processo de purificação atingiu o nível máximo de césio radioativo que poderia absorver

18 de junho de 2011 | 03h05

TÓQUIO - A Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da usina nuclear de Fukushima, suspendeu o novo sistema de reciclagem de água radioativa acumulada na central, apenas cinco horas após colocá-lo em funcionamento, anunciou neste sábado, 18, a agência "Kyodo".

 

O processo teve de ser paralisado porque um dos componentes do sistema precisa ser substituído antes do previsto, depois de ter alcançado o nível máximo de césio radioativo que podia absorver, segundo fontes da operadora citadas pela "Kyodo".

O plano de reciclagem de água radioativa de Fukushima, pioneiro no mundo, foi iniciado na noite de sexta-feira, 17, após vários dias de testes.

 

Com este sistema se espera reciclar uma média de 1.200 toneladas diárias das cerca de 110 mil que se acumulam nas instalações da central e serão reutilizadas no resfriamento de seus reatores.

 

O dispositivo conta com tecnologia da empresa francesa Areva e da americana Kurion, também inclui um componente que absorve o césio radioativo, além de outras substâncias químicas que ajudam a reduzir a radiação.

 

Tanto o governo como a operadora da central consideram que o novo sistema é primordial para estabilizar o resfriamento dos reatores 1, 2 e 3 de Fukushima, seriamente danificados pelo terremoto e o tsunami de março.

 

A Tepco anunciou na sexta-feira que prevê controlar as piscinas de combustível usado de todas as unidades em um mês e manteve a data de janeiro de 2012 como prazo para estabilizar os reatores.

Neste sábado se completam 100 dias desde que o desastre de 11 de março gerou a crise na usina nuclear de Fukushima, a pior desde Chernobyl, em 1986.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.