Operadora do Citigroup roubou contas de viúvas e do próprio pai

Uma ex-funcionária do Citigroup foi expulsa do setor de títulos financeiros por ter supostamente desviado mais de 850 mil dólares de viúvas, de um diplomata dos norte-americano e do seu próprio pai, disse uma agência reguladora dos EUA na terça-feira.

JONATHAN STEM, REUTERS

25 de agosto de 2009 | 17h30

A Autoridade Reguladora do Setor Financeiro (Finra, na sigla em inglês) afirmou que Tamara Lanz Moon, de Redwood City, Califórnia, ludibriou clientes idosos e vulneráveis nos oito anos que passou na agência do Citigroup Global Markets em Palo Alto, até março de 2008.

O Citigroup já indenizou os clientes pelos prejuízos. A Finra disse que Moon não aceitou um acordo pelo qual admitiria as irregularidades.

Segundo a agência, a funcionária do setor de vendas de títulos falsificava assinaturas para permitir a transferência de dinheiro para contas que ela controlava, o que lhe permitiu pagar despesas pessoais, investir em imóveis e reformar sua casa.

A Finra disse que ela chegou a roubar 30 mil dólares do seu pai e 55 mil de um diplomata. Uma das vítimas tinha mal de Parkinson. Ela também foi acusada de falsificar extratos bancários, participar de transações não-autorizadas e de cometer outras violações contábeis.

O Citigroup não quis se manifestar sobre o caso, e o advogado dela não foi localizado.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACITIVIUVAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.