Jason Reed/Reuters
Jason Reed/Reuters

Pacotes suspeitos aparentemente continham explosivos, diz Obama

Segundo presidente, objetos que vinham do Iêmen estavam destinados a organizações judias

estadão.com.br,

29 de outubro de 2010 | 18h32

WASHINGTON- O presidente americano, Barack Obama, afirmou em discurso nesta sexta-feira, 29, que dois pacotes suspeitos do Iêmen encontrados em Dubai e Londres e um avião com destino aos Estados Unidos aparentemente continham explosivos.

 

Veja também:

linkEUA acusam Al-Qaeda de planejar atentado com aviões de carga

especialESPECIAL: As franquias da Al-Qaeda

 

"Na noite de ontem e hoje cedo, nossos profissionais de inteligência e segurança (...) encontraram dois pacotes suspeitos com destino aos Estados Unidos (...). Uma análise inicial determinou que eles aparentemente contêm material explosivo", disse o governante na Casa Branca. Segundo o presidente, os dois pacotes estavam endereçados a organizações judias na área de Chicago, sem identificá-las.

 

O presidente revelou que foi alertado da ameaça ontem por seu assessor na luta contra o terrorismo, John Brennan. "Eu me dirigi ao Departamento de Segurança Interna e a todas as nossas agências de segurança e inteligência pra tomarem todos os passos necessários para proteger nossos cidadãos desse tipo de ataque."

 

Obama declarou que o governo está fazendo revistas adicionais em cargas de voos por causa da ameaça. O governante não responsabilizou diretamente a Al-Qaeda no Iêmen pelo incidente, mas a citou. "Apesar de ainda estarmos indo atrás de todos os fatos, nós já sabemos que os pacotes são do Iêmen. Nós também sabemos que a Al-Qaeda na Península Arábica (...) continua a planejar ataques contra nossa terra, nossos cidadãos, nossos amigos e aliados".

 

Brennan, segundo Obama, conversou com o presidente iemenita sobre a seriedade da ameaça, que prometeu cooperação total do governo do país com as investigações.  "Nós continuaremos a reforçar nossa cooperação com o governo iemenita para frustrar atentados da Al-Qaeda na Península Arábica e destruir essa afiliada".

 

Os eventos, ocorridos quatro dias antes das eleições legislativas americanas, "destacam a necessidade de vigilância permanente contra o terrorismo". disse Obama.

 

Dois pacotes suspeitos que eram transportados do Iêmen aos Estados Unidos foram encontrados hoje no Reino Unido e em Dubai. Um dos pacotes foi encontrado em um voo da UPS em um aeroporto da Inglaterra. O outro foi descoberto em uma unidade da Fedex em Dubai.

 

Aeronaves em aeroportos de Newark, em Nova Jersey, e na Filadélfia foram inspecionados por precaução, mas já foram liberados.

 

Al-Qaeda no Iêmen

 

Em uma coletiva de imprensa após o comunicado de Obama, o assessor para a luta contra o terrorismo da Casa Branca, John Brennan, disse que os explosivos descobertos tinham como objetivo "perpetrar um atentado e causar danos".

 

Brennan declarou que as autoridades examinam todos os pacotes procedentes do Iêmen no local de origem dos objetos suspeitos. Até o momento, disse o funcionário, não há indícios de que existam outras bombas além das encontradas.

 

Os pacotes encontrados já foram desativados. Apesar de Obama não ter responsabilizado a rede terrorista diretamente, os serviços de segurança acreditam que a Al-Qaeda na Península Arábica, com base no Iêmen, está por trás dos incidentes.

 

Até o momento os serviços secretos não se centraram em um suspeito concreto, acrescentou Brennan, indicando que "qualquer indivíduo relacionado a Al-Qaeda é um sujeito de interesse para a investigação".

 

O nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, acusado pelo atentado falido do Natal, disse a autoridades americanas que recebeu treinamento e materiais explosivos de insurgentes da Al-Qaeda no Iêmen. O país vem tentando conter os rebeldes em seu território com ajuda dos Estados Unidos.

 

Comício

 

Brennan também disse que o destino dos pacotes eram sinagogas de Chicago, onde Obama tem um comício agendado amanhã.

 

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, afirmou que o presidente não tem a intenção de alterar seus planos de viagem para os próximos dias.

 

Atualizado às 20h31

 

Com AP, Efe e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
EUAameaçaterrorismoAl-QaedaIêmen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.