Padres são condenado à prisão por roubar de igreja na Flórida

Dois padres católicos foram condenados à prisão por se apropriarem indevidamente de mais de 8 milhões de dólares de suas igrejas, um roubo que um juiz classificou de "avareza desmascarada".

REUTERS

25 de março de 2009 | 16h14

John Skehan e Francis Guinan foram acusados em 2006 de desviar dinheiro proveniente de coleções de prata e herança de suas igrejas em Delray Beach, na Flórida, e por gastar milhares de dólares em bens imóveis, viagens, moedas raras e namoradas.

Skehan, de 81 anos, foi condenado a 14 meses de prisão e a 7 anos de condicional, após ter se confessado culpado em janeiro por roubo superior a 100 mil dólares.

Guinan, de 66 anos, foi sentenciado na quarta-feira a 4 anos de prisão após o caso ter sido levado à corte e descobrirem sua culpa em uma denúncia de um roubo de menos de 100 mil dólares.

O juiz Jeffrey Colbath decretou a prisão de Skehan apesar dos pedidos do promotor público, advogados de defesa e da diocese de Palm Beach pela sentença condicional apenas, informou o jornal Palm Beach Post.

"A corte percebeu que o réu não está somente arrependido porque ele foi pego, mas também está sinceramente envergonhado e com remorso", disse Colbath, segundo o jornal.

"O crime do réu foi puramente avareza mascarada. Não há nenhum traço de necessidade moral para desculpar o acusado do crime", acrescentou.

(Reportagem de Jim Loney)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPADREPRISAOROUBAVA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.