Para Obama, esperança dos jovens garantiu sua vitória em Iowa

Perfomance do senador nas prévias é duro golpe na campanha de Hillary Clinton, terceira colocada na disputa

Agências internacionais,

04 de janeiro de 2008 | 11h00

Pode ser que os eleitores de Iowa tenham tentado mandar uma mensagem de que o pequeno Estado de maioria branca poderia transcender uma mistura de raças, e nas primeiras prévias para definir os candidatos à Presidência americana, a população - principalmente os mais jovens - apoiou o senador democrata Barack Obama e a sua improvável candidatura, derrotando todos os que ressaltaram a sua inexperiência em assuntos internacionais, como a senadora Hillary Clinton.  Veja também: Obama e Huckabee saem na frente Após Iowa, vencedores rumam a New Hampshire Democratas Biden e Dodd desistem da disputa Patrícia: o príncipe e a desolação branca Cobertura completa das eleições nos EUA Conheça os pré-candidatos   Foi há um ano que Obama, senador em seu primeiro mandato pelo Estado de Illinois, decidiu formalmente pela candidatura, a qual os adversários mais próximos tentaram diminuir o potencial. Barack Obama declarou nesta sexta-feira, 4, que sua mensagem de esperança e mudança agradou aos jovens e foi o que o ajudou a superar Hillary Clinton para vencer a primeira prévia do Partido Democrata.   Obama, 46, disse que pouca gente acreditava que os eleitores realmente participariam em peso do chamado caucus na noite de quinta-feira. Mas muitos jovens compareceram, entre eles independentes e até republicanos, ajudando-o a vencer. "Portanto, na verdade, foi uma vitória do povo de Iowa", disse Obama a repórteres no vôo de Iowa para New Hampshire. "Acho que é um prenúncio do que vai acontecer em todo o país." Obama, que pode se tornar o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, bateu Hillary Clinton e o ex-senador John Edwards.   Para o estrategista-chefe de Obama, David Axelrod, os eleitores de Iowa consideraram muito mais provável que Obama leve mudanças a Washington, e não Hillary, que foi primeira-dama por oito anos. "Acho que é um voto pró-mudança, e ela não é uma candidata da mudança."   A performance de Obama - e a surpresa da segunda posição do ex-senador da Carolina do Norte John Edwards - foram um golpe na campanha de Hillary Clinton e criaram uma atmosfera de incertezas na escolha do candidato do Partido Democrata. Acompanha do marido, o ex-presidente Bill Clinton, e a filha, Hillary parabenizou Obama e Edwards. "Juntos nós oferecemos a mudança". Com um sorriso confiante no rosto, a pré-candidata acrescentou: "Levantaremos cedo amanhã e nos esforçaremos ao máximo".   A multidão que comemorou a vitória de Obama era bem representativa: muitos jovens, mas também executivos de meia idade e um grande número de mulheres. Segundo Axelrod, entre as eleitoras, Obama ficou 5 pontos percentuais à frente de Hillary. Além disso, cerca de 57% dos eleitores com menos de 29 anos votaram em Obama.   As prévias do Estado de New Hampshire serão cruciais para Hillary, e as comparações tornaram-se inevitáveis entre ela e o marido, que ficou em segundo lugar naquela disputa em 1992 e que se autodenominou o "garoto da volta por cima" após um período de muita publicidade negativa a respeito de sua infidelidade marital e de sua ficha nas Forças Armadas.   Obama e Hillary travam há meses uma batalha já clássica no cenário político dos EUA - Obama promete mudar a forma como Washington funciona enquanto Hillary apresenta-se como a candidata "forte e experiente". O senador prometeu conversar abertamente com líderes de países considerados hostis como o Irã, Cuba e a Síria. Hillary e o marido dela, o ex-presidente Bill Clinton, tentaram levantar dúvidas sobre a experiência de Obama.   Republicanos religiosos   Na disputa republicana, o ex-governador de Arkansas Mike Huckabee, um simpático pastor da Igreja Batista, conquistou os eleitores de Iowa com seu charme e sua religiosidade, superando o rival Mitt Romney, que gastou muito mais que ele na campanha. Ele contou com numa rede informal de blogueiros conservadores e evangélicos para compensar a enorme vantagem financeira de Romney e a propaganda agressiva feita pelo adversário.   A religião é importantíssima nas eleições norte-americanas. O país possui cerca de 60 milhões de evangélicos - 20% de sua população. Assim como a maioria dos republicanos, com a exceção do ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani, Huckabee é contra o aborto e o casamento gay. Mas o que conquistou os eleitores de Iowa foi a imagem passada por Huckabee de uma pessoa comum: um rapaz humilde e do bem que gosta de caçar e pescar.   Agora, com a vitória em Iowa, Huckabee será alvo de forte acompanhamento dos rivais, o que dificultará seu caminho até a Casa Branca. Ele terá de apostar no entusiasmo da base evangélica republicana. "Aprendemos com as eleições de 2000 e 2004 que os evangélicos têm grandes redes sociais que podem ser mobilizadas com fins políticos para o candidato certo. Pode ser que Huckabee seja o candidato certo para 2008", disse Scott Keeter, do instituto de pesquisas Pew, de Washington.   A campanha do ex-governador do Arkansas, nascido em Hope - também cidade natal do ex-presidente Bill Clinton - foi marcada por um baixo orçamento, em especial se comparada com a de seu principal rival, o ex-governador pelo Estado de Massachusetts Mitt Romney, que gastou milhões em Iowa, mas acabou tendo de se contentar com o segundo lugar.   Em referência ao rival, Huckabee afirmou durante seu discurso nesta quinta-feira que sua vitória provou que o "poder do povo é mais forte que o poder do bolso" e lembrando que, no início, ninguém acreditava que sua campanha fosse capaz de fazer frente à do rival, capaz de levantar 15 vezes mais recursos do que ele.   Além de Hillary, outro candidato que foi duramente derrotado em Iowa foi Romney. Sem dúvida, os dois possuem o dinheiro, instrumento de campanha, e legiões de apoiadores para lutar pela candidatura. Porém, a perda do encanto da senadora levanta o questionamento sobre a sua eleição, e se os eleitores independentes - o dobro dos que apoiaram Obama - serão fiéis. O desafio de Romney agora é enfrentar um campo cheio de rivais nas primárias de New Hampshire. O ator Fred Thompson e John McCain empataram com 13% na terceira colocação.   (Com o The New York Times)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.