Pastor diz que ainda vai 'pensar' se desiste de queimar Alcorão

O pastor cristão que havia dito que desistiria de queimar exemplares do Alcorão em sua igreja nos Estados Unidos afirmou, na noite de quinta-feira, que suspendeu essa decisão enquanto "repensa" a questão.

REUTERS

10 de setembro de 2010 | 07h42

O pastor Terry Jones, um ministro obscuro que dirige a igreja Dove World Outreach Center, em Gainesville, no Estado da Flórida, acusou um líder muçulmano de ter mentido para ele sobre a mudança do local onde será construído um centro islâmico em Nova York.

Jones havia cancelado o plano de queimar exemplares do Alcorão depois de atrair forte condenação internacional e de uma advertência do presidente Barack Obama de que essa atitude poderia provocar atentados suicidas da rede Al Qaeda.

"Considerando o que estamos ouvindo agora, somos forçados a repensar nossa decisão", disse Jones à TV a cabo CNN. "Portanto, não estamos cancelando o evento, mas suspendendo-o."

Jones disse ter falado com o imã Muhammad Musri, presidente da Sociedade Islâmica da Flórida Central. Segundo ele, Musri lhe garantiu que havia sido mudado o local de uma mesquita planejada para perto do World Trade Center, um dos alvos dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Depois que Musri e o patrocinador do projeto da mesquita negaram ter feito tal acordo, Jones disse que Musri havia "claramente, claramente mentido".

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPASTORALCORAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.