Paul Ryan consideraria candidatura a vice dos Republicanos

O deputado Republicano Paul Ryan, cujo plano de reforma do Medicare gerou críticas de grupos de defesa dos idosos e dos Democratas, disse neste domingo que consideraria uma oferta para ser candidato a vice-presidente Republicano.

REUTERS

25 de março de 2012 | 17h28

Durante o programa "Face the Nation", da CBS, Ryan disse que estava tão focado no seu trabalho como presidente da comissão de orçamento da Câmara que um lugar na chapa Republicana para a presidência era "somente algo que eu não estou considerando no momento".

Entretanto, ele deixou a porta aberta para se juntar ao candidato Republicano em uma eventual nominação.

"Eu poderia considerar isso", disse Ryan. "Mas não é algo que está em minha mente, porque isso é uma decisão de outra pessoa em um momento posterior. É uma ponte que eu não estou próximo de atravessar."

Ryan apresentou um plano de orçamento que reduziria os gastos federais e reformularia as leis tributárias norte-americanas, reduzindo a alíquota máxima de 35 para 25 por cento. Ao mesmo tempo, o orçamento, que a Casa deve julgar nesta semana, propõe uma grande reforma do Medicare, que daria ao idoso um subsídio para a aquisição de uma cobertura médica de empresas privadas, ou o Medicare tradicional.

O plano poderia causar problemas para os Republicanos que irão às eleições de 6 de novembro. Os idosos são mais propensos a votar do que os mais jovens, e pesquisam indicam que a grande maioria das pessoas preferem o Medicare do jeito que está.

O plano de Ryan tem despertados críticas de alguns grupos de defesa aos idosos, que afirmam que ele faria idosos pagarem despesas do próprio bolso e minaria a tradicional taxa por serviço da Medicare.

Contudo, Ryan e seus aliados Republicanos argumentam que o plano salvaria o Medicare porque em breve o programa irá à falência por conta do aumento dos custos da saúde e o envelhecimento da população.

(Reportagem de Donna Smith)

Tudo o que sabemos sobre:
EUARYANELEICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.