Pentágono diz que já cortou piores programas bélicos

O Pentágono já cortou seus piores programas armamentistas e outros de que não precisava mais, mas ainda espera cancelar outras iniciativas desnecessárias, afirmou uma importante fonte de Defesa dos EUA na quarta-feira.

REUTERS

17 de fevereiro de 2010 | 18h04

"Acho justo dizer que os (programas com) desempenhos mais fracos foram identificados no ano fiscal de 2010", afirmou Ashton Carter, subsecretário de Defesa para Aquisição, Tecnologia e Logística, em uma conferência sobre o setor de defesa realizada pela publicação Aviation Week.

De acordo com Carter, o Pentágono identificou "um grande número de programas que foram cancelados" no ano fiscal de 2010, que termina em 30 de setembro. Segundo ele, outros programas podem se tornar supérfluos no ano fiscal de 2011, como o do avião de transporte C-17 da Boeing.

Sobre possíveis cortes futuros, Carter disse esperar que eles não sejam necessários após a atual fase.

O subsecretário acrescentou que continua analisando com cuidado grandes programas bélicos, como o do caça F-35, para se necessários reestruturá-los. Mas ele disse que também se dedica a proteger programas que funcionam bem.

(Reportagem de Andrea Shalal-Esa)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPENTAGONOCORTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.