Pentágono fecha polêmica agência de contra-inteligência

O Pentágono anunciou nasegunda-feira a desativação de um polêmico departamento militaracusado por muitos de praticar espionagem doméstica desde osatentados de 11 de setembro de 2001. O Departamento de Defesa anunciou ter "descontinuado" odepartamento de Atividade de Campo de Contra-Inteligência(Cifa, na sigla em inglês), que fora criado em fevereiro de2002 para impedir eventuais ataques contra instalaçõesmilitares. Entre suas atribuições estavam as de realizar "avaliaçõesde risco e análises sobre ameaças domésticas" em prol daproteção das forças e da infra-estrutura dos Estados Unidos. Parlamentares e entidades de direitos civis criticaram essaagência em 2005 por reunir e reter informações sobremanifestantes pacifistas nos EUA, como o grupo Quakers. Em nota, o Pentágono disse que as responsabilidades da Cifaserão transferidas a um novo centro, sob responsabilidade daAgência de Inteligência da Defesa, que vai coordenar tambémgrande parte das tradicionais atividades de espionagem doPentágono no exterior. A Reuters apurou que o secretário de Defesa, Roberto Gates,aprovou a mudança para tranquilizar os parlamentares. Desdeassumiu o cargo, Gates, ex-diretor da CIA, promete maiscoordenação entre o Pentágono e as agências de inteligência. Em nota, o general Theodore Nicholas, diretor do novocentro de inteligência, disse que "a integração sob umaorganização vai resultar em maior colaboração em áreasoperacionais e de apoio nas quais ambas as disciplinas sesobrepõem".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.