Pentágono: pesquisa militar não é tendenciosa contra gays

Como você se sentiria sobre dividir chuveiros com soldados gays ou lésbicas? E dividir com eles uma barraca em tempos de guerra?

PHIL STEWART, REUTERS

10 de julho de 2010 | 12h58

Essas são algumas das 103 perguntas que o Pentágono está fazendo em uma pesquisa enviada a 400 mil membros das forças armadas antes da possível revogação de uma proibição oficial de 17 anos a homossexuais no setor militar.

Críticos disseram que partes da pesquisa, que custará 4,5 milhões de dólares, são tendenciosas contra os homossexuais, uma impressão que o Pentágono refutou.

"Absolutamente, inequivocamente, eu rejeito (as acusações de preconceito), classificando-as de absurdas", disse o secretário de imprensa do Pentágono, Geoff Morrell, na sexta-feira.

"Achamos que seria irresponsável conduzir uma pesquisa que não avaliasse esse tipo de assunto", acrescentou, citando preocupações das tropas quanto à privacidade em relação a banhos, socialização e alojamentos.

A pesquisa, que tem apenas uma parte relacionada à homossexualidade, tem a intenção de servir como base para um estudo do Pentágono, esperado para dezembro, preparando o setor para uma potencial revogação da lei "Não pergunte, não fale" (Don't ask, Don't tell, em inglês).

A legislação, datada da era Clinton, permite que gays e lésbicas sirvam às forças armadas desde que mantenham suas preferências sexuais para si próprios, e prevê expulsão se tais orientações forem reveladas.

Sua revogação é defendida pelo presidente Barack Obama e entidades de apoio aos direitos dos gays, que a veem como um marco em sua campanha para igualdade de direitos nos Estados Unidos.

Morrell elevou a possibilidade de que mais treinamentos, educação e até ajustes nas instalações podem ser necessários para preparar as forças armadas caso a lei seja revogada.

Mas ele disse: "Não sabemos nada disso ainda. Esse é a razão que temos que descobrir através dessa pesquisa científica," afirmou

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPENTAGONOGAYS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.