Pentágono quer reconciliação com Taliban, sem Al Qaeda

Os Estados Unidos estão preparados para se reconciliar com o Taliban, caso o governo do Afeganistão abra um diálogo para negociar o fim da guerra, disse o secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, na quinta-feira. Mas ele ressaltou que Washington não considera quaisquer negociações com a Al Qaeda. Gates disse que a reconciliação seria um fim político para a insurgência e a guerra no Afeganistão. Mas essa reconciliação tem de ser nos termos do governo afegão, e o Taliban tem de se sujeitar à soberania do governo. "Definitivamente -- eu ressalto este definitivamente -- tem de haver uma reconciliação, como um fim político para isto", disse Gates a repórteres depois do primeiro dia de reuniões da Otan sobre a guerra no Afeganistão, em Budapeste. "Essa é a melhor saída estratégica de tudo isso", disse. Mas Gates afirmou também que os esforços de reconciliação não podem incluir ninguém que pertença à Al Qaeda, grupo que assumiu a responsabilidade pelos ataques de 11 de setembro de 2001 e se tornou o principal alvo dos esforços antiterrorismo do governo Bush. "Temos de estar certos de que não vamos falar de nada sobre a Al Qaeda", afirmou Gates, ao enumerar as condições para a reconciliação no Afeganistão. Perguntado novamente se pensa ser possível um diálogo com o Taliban, sem a Al Qaeda, Gates disse: "sim". (Reportagem de Kristin Roberts)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.