Pentágono revelará detalhes de arsenal nuclear em cúpula de Nova York

Revelação de dados faz parte do compromisso dos EUA e serão anunciados por Hillary Clinton

03 Maio 2010 | 14h33

NOVA YORK - O Pentágono revelará nesta segunda-feira, 3, informações sobre seu arsenal nuclear até agora classificado, coincidindo com a abertura da Conferência de Revisão do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) realizado em Nova York.

 

Veja também:

linkAhmadinejad diz que não há provas contra o Irã

linkDiretor da AIEA diz ser impossível garantir que programa do Irã é pacífico

linkIrã não precisa ganhar a confiança do Ocidente, diz Ahmadinejad

linkBrasil pode criar ambiente favorável ao Irã, diz Amorim

 

Segundo um alto funcionário, tornar pública esta informação faz parte do compromisso dos EUA de reduzir seu arsenal nuclear significativamente, informou o jornal The New York Times. A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, incluirá estes dados em seu discurso na conferência das Nações Unidas, indicou o jornal. Está previsto que Hillary também anuncie novos fundos para a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

 

Durante anos, a inteligência americana se opôs à publicação de descrições quantitativas do arsenal nuclear, perante a preocupação de que esses números pudessem ajudar os grupos terroristas a calcular o mínimo de combustível nuclear necessário para gerar uma arma.

 

O TNP compromete os países signatários a usar seu potencial nuclear apenas com fins pacíficos, enquanto garante que as cinco potências atômicas oficiais (EUA, Reino Unido, França, China e Rússia) reduzirão de forma gradual seus arsenais nucleares até eliminá-los.

 

Saiba mais:

especialSaiba mais sobre a reunião de revisão do TNP

especialOs últimos eventos da crise nuclear

 

A conferência de desarmamento será realizada pelas Nações Unidas entre os dias 3 e 28 de maio e deve contar com delegações dos 189 países signatários do Tratado de Não-Proliferação Nuclear que entrou em vigor em 1970 e procura impedir a proliferação de armas nucleares e o desmantelamento dos arsenais existentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.