Permitir arma nuclear iraniana pode gerar guerra, diz Sarkozy

Francês ataca Irã em discurso, apesar de dizer que o país tem direito à energia nuclear para fins pacíficos

Reuters,

25 de setembro de 2007 | 14h03

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, afirmou nesta terça-feira, 25, durante a reunião da Assembléia Geral da ONU, que permitir que o Irã adquira armas nucleares poderia provocar a desestabilização do mundo e a eclosão de uma guerra. O chefe de governo francês disse ainda que a situação do programa nuclear de Teerã só poderá ser resolvida com a combinação "firmeza e diálogo".   Veja também: Bush aceita ampliar o Conselho de Segurança Bush anuncia sanções contra Mianmá Ban alerta para 'série assustadora de desafios' Chávez cancela discurso na Assembléia GeralPaíses ricos precisam dar exemplo, diz Lula Após dircurso de Bush, Cuba deixa plenário   "Não haverá paz no mundo se a comunidade internacional hesitar diante da proliferação das armas nucleares", disse o Sarkozy durante o seu discurso.   Desde que Sarkozy foi eleito, em maio, esta é a primeira vez que ele participa da Assembléia. Durante seu discurso, o presidente francês afirmou que o Irã tem direito à energia nuclear para fins pacíficos, mas a permissão que o país possui para ter armas nucleares é "um risco inaceitável para a estabilidade da região e do mundo". Ele acrescentou: "Fraqueza e omissão não levam à paz. Elas levam à guerra."   Os Estados Unidos e outros vários aliados, incluindo a França, têm pressionado o Irã a suspender o controverso programa nuclear. Para esses países, o programa é uma forma de mascarar o desenvolvimento de armas, acusação negada por autoridades iranianas. A ONU impôs sanções ao país por ter se recusado a cessar o enriquecimento de urânio.   O Irã argumenta que seu programa nuclear é pacífico, mas o Ocidente suspeita que o enriquecimento de urânio no país tem como objetivo desenvolver a capacidade para produzir armas nucleares.   Pressão francesa   A França aumentou as pressões contra o Irã neste mês quando o ministro das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, disse que o mundo deveria se preparar para a guerra se o país realmente tivesse armas nucleares. O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, respondeu que os comentários não deveriam ser levados a sério.   Além disso, líderes europeus estariam considerando ter suas próprias sanções contra o país islâmico. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, se recusou a tomar uma atitude militar caso o Irã não ceda às pressões.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãONUNicolas Sarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.