Perry é alvo de rivais em debate republicano

O pré-candidato Rick Perry, apontado pelas pesquisas como favorito para receber a indicação republicana à presidência dos EUA, foi o principal alvo de seus rivais num acalorado debate na segunda-feira, quando sofreu críticas por causa de questões relacionadas à previdência, à geração de empregos e à sua atuação como governador do Texas.

JOHN WHITESIDES, REUTERS

13 Setembro 2011 | 08h36

Perry, por sua vez, voltou a duelar com seu principal rival, Mitt Romney, por causa da questão previdenciária. Ambos se acusaram mutuamente de assustar os idosos com ameaças de mexer nas aposentadorias.

Os adversários de Perry questionaram declarações dele sobre a criação de empregos no Texas, sua posição sobre a imigração ilegal, e uma portaria que ele baixou como governador - e que depois admitiu ser equivocada - determinando que meninas fossem vacinadas contra um vírus sexualmente transmissível que causa câncer de colo do útero.

O andamento do debate reforçou o status de Perry como candidato a ser batido na corrida interna do Partido Republicano para desafiar o democrata Barack Obama nas urnas em 2012.

Perry foi para a defensiva em vários momentos. Atenuou suas críticas ao programa de aposentadorias da Seguridade Social e disse que deseja iniciar uma "conversa legítima" sobre o seu futuro. Na semana passada, em outro debate, ele havia causado polêmica ao dizer que a previdência é uma "mentira monstruosa", e compará-la a um "esquema de pirâmide".

"O termo 'esquema de pirâmide' acho exagerado, desnecessário e assustador para muita gente", disse Romney, ex-governador de Massachusetts, que questionou se Perry ainda acha que a previdência deveria ser transferida do âmbito federal para o estadual.

"Não vamos levar esse programa embora", disse Perry. "Em vez de tentar assustar os idosos, como você e outras pessoas estão fazendo, é hora de ter uma conversa legítima sobre como consertar esse programa para que ele não vá à falência."

Perry, favorito do movimento conservador Tea Party, ultrapassou Romney nas pesquisas desde que se lançou candidato, no mês passado. Ele foi aplaudido várias vezes pelo público conservador no debate, que teve como copatrocinadores grupos ligados ao Tea Party, movimento que alterou o foco da política nos EUA com suas propostas de limitar a atuação do governo e cortar os seus gastos.

Romney disse que a geração de empregos no Texas sob o comando de Perry, bem superior à de outros Estados, se deve à ausência de imposto de renda no Estado, aos seus recursos naturais e a outros fatores, mas não às políticas do governador.

Perry matizou declarações anteriores contra o presidente do Federal Reserve (Banco Central), mas voltou a dizer que seria "quase traiçoeiro" permitir o uso do Fed para propósitos políticos.

Esse foi o quinto debate entre os republicanos na atual campanha. O próximo será na semana que vem em Orlando (Flórida).

Mais conteúdo sobre:
EUA REPUBLICANOS DEBATE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.