Perry espera invasão de texanos em Iowa para se recuperar

O governador do Texas, Rick Perry, atrás nas pesquisas e com dificuldades para encontrar uma estratégia vitoriosa de campanha, está confiando em pessoas de sua terra para ajudar a melhorar suas chances em Iowa na corrida presidencial republicana.

MARY WISNIEWSKI, REUTERS

30 de dezembro de 2011 | 14h51

Mais de uma dezena de texanos enchiam caixas com cartazes e camisetas de Perry em um salão de conferência de um hotel em Des Moines, Iowa, falando sobre suas cidades-natais e comendo muffins.

Eles faziam parte da primeira onda do que a campanha de Perry espera que seja composta por centenas de texanos e simpatizantes de outros Estados que estão se voluntariando para ir até Iowa dar apoio a Perry antes do "caucus" (eleição primária) republicano de terça-feira.

Perry bem que poderia usar essa ajuda. Sua campanha vem enfraquecendo desde que ele entrou na disputa, em agosto, entre os favoritos, apostando na onda da criação recorde de empregos no Texas, onde ele é o governador há mais tempo no cargo.

Mas depois de um fraco desempenho nos debates, Perry perdeu terreno. Uma pesquisa da CNN/Time divulgada nesta semana mostrou que ele estava em quinto lugar, com 11 por cento, atrás de Mitt Romney, Ron Paul, Rick Santorum e Newt Gingrich.

Os fracos números na pesquisa foram registrados apesar de Perry tentar promover suas credenciais sociais conservadoras em uma série de anúncios, incluindo um em que ele ataca os gays nas Forças Armadas. Ele também adotou uma postura dura contra o aborto em uma estratégia para ganhar o grande eleitorado evangélico cristão.

Mais texanos pró-Perry devem chegar para atender telefones, animar os comícios e falar com os eleitores, segundo representantes da campanha e voluntários. Entre eles estarão vários parlamentares estaduais republicanos, e outras autoridades.

"Acho que ele precisa ganhar alguma tração aqui", disse Joe Hyde, de 47 anos, de San Angelo, Texas, que chegou a Des Moines na terça-feira com sua filha Shelby, de 18 anos. Os dois foram até Iowa com dinheiro do próprio bolso.

Como vários simpatizantes de Perry, expressaram preocupação porque os debates não mostraram quem realmente era o candidato.

"Os debates viraram um reality-show que eclipsa a experiência executiva", disse Hyde.

Dennis Golford, professor de política da Universidade Drake, disse que o exército voluntário do Texas parecia um sinal de fraqueza. Os enormes gastos de Perry em anúncios no rádio e televisão de Iowa -que segundo a campanha foram de cerca de 2,86 milhões de dólares em dezembro- não parecem estar ajudando.

"São anúncios bem feitos", disse Goldford. "Mas quantas vezes você recebe uma segunda chance de causar uma primeira boa impressão?"

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOPERRY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.