Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

PESQUISA-Americanos estão mais otimistas; imagem de Bush melhor

Os norte-americanos ingressarãono ano de 2008 em um clima mais otimista, com esperanças umpouco maiores a respeito do futuro e uma opinião mais favorávela respeito do presidente George W. Bush e do Congresso, mostrouuma pesquisa da Reuters/Zogby divulgada na quarta-feira. O Índice Reuters/Zogby, que avalia o clima reinante nopaís, elevou-se em dezembro pela primeira vez desde que essetipo de pesquisa começou a ser feito, em julho, de 94,9 para97,3. Bush continuava se recuperando depois de atingir níveisrecorde de impopularidade --o número de norte-americanos quelhe deu notas positivas aumentou de 28 por cento no mês passadopara 31 por cento. Mesmo o Congresso dos EUA, que durante dois mesesconsecutivos viu sua taxa de aprovação atingir um recordenegativo de 11 por cento, melhorou um pouco, para 13 por cento(uma cifra, ainda assim, sofrível). Mas os norte-americanos acalentam ainda váriaspreocupações, em especial quanto à economia. A pesquisadescobriu que 43 por cento dos moradores do país prevêem umarecessão no próximo ano, acima dos 40 por cento do mêspassado). E apenas 21,7 por cento deles consideraram aperformance da política econômica do país excelente ou boa. "Parece que o sangramento estancou-se e que as pessoascomeçam a se sentir um pouco melhor, mas ainda há umapreocupação crescente com a ameaça de uma recessão", afirmouJohn Zogby, especialista em pesquisas. "A principal diferença são os números um pouco maispositivos para o presidente e o Congresso. Não havia mais muitoespaço para que essas cifras caíssem", disse. A pesquisa aconteceu depois de um mês durante o qual opresidente, do Partido Republicano, e o Congresso, dominadopelo Partido Democrata, tentaram avançar a respeito depropostas para enfrentar a crise no setor imobiliário e ainstabilidade no mercado de ações em meio a previsões sobre umarecessão. IRAQUE A diminuição no número de soldados norte-americanos mortosno Iraque tirou o assunto das primeiras páginas dos jornais,apesar de a pesquisa ter apontado que três quartos dosnorte-americanos continuam avaliando negativamente a políticados EUA para aquele país. Das dez cifras usadas para determinar o índice, seteregistraram uma pequena melhora e três registraram baixa. O número de norte-americanos para os quais o paísencontra-se no caminho certo elevou-se 2 pontos percentuais,para 25 por cento, apesar de dois terços ainda acreditarem queos EUA caminham na direção errada. Simultaneamente, o número de moradores do país que sesentiam "muito" seguros em relação a ameaças vindas do exterioraumentou 10 pontos, para 35 por cento, e o dos que se sentiam"muito" seguros quanto a seus empregos elevou-se 3 pontos, para48 por cento. No entanto, a avaliação quando à economia dos EUA piorou--os norte-americanos que consideram o desempenho do país nosetor ruim aumentou de 32 por cento para 41. E a quantidade denorte-americanos que deu notas negativas para a políticaexterna dos EUA elevou-se 2 pontos, para 79 por cento. O índice combina as respostas para dez perguntas sobre oslíderes dos EUA, a direção seguida pelo país e o futuro dapopulação. Esse índice foi elaborado pela primeira vez emjulho, e os resultados de então oferecem o parâmetro de 100. Qualquer cifra acima de 100 significa que o clima reinantena opinião pública melhorou desde julho. Uma elevação quecontinue abaixo de 100, como a deste mês, significa que oclima, apesar de ter melhorado, continua pior do que em julho. O índice é divulgado na terceira quarta-feira de todos osmeses e elaborado com base em entrevistas realizadas com mileleitores em potencial. As entrevistas aconteceram entre asúltimas quarta e sexta-feira. A margem de erro da pesquisa é de3,2 pontos percentuais.

JOHN WHITESIDES, REUTERS

19 de dezembro de 2007 | 13h06

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPESQUISAPOSITIVA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.