Petraeus toma posse como novo chefe da CIA

O recém-reformado general David Petraeus tomou posse nesta terça-feira como diretor da CIA, num momento em que as separações entre a agência norte-americana de espionagem e as Forças Armadas estão cada vez menores no combate à militância islâmica.

MATT S, REUTERS

06 Setembro 2011 | 20h37

Petraeus, que em 37 anos de carreira militar se tornou provavelmente a maior estrela do Exército, comandando as forças dos EUA no Iraque e no Afeganistão, prestou juramento no seu novo cargo diante do vice-presidente Joe Biden, e então seguiu direto para a primeira reunião de inteligência com o presidente Barack Obama.

"Não há literalmente nenhum tempo a perder. O presidente o quer no cargo", disse Biden numa rápida cerimônia na Casa Branca.

Petraeus depois comandou uma reunião com funcionários da CIA no mundo todo, a partir de um auditório na sede da agência, em Langley, na Virgínia.

Em seu discurso aos funcionários, Petraeus salientou a importância de usar tecnologias modernas e de promover operações ágeis e análises independentes, segundo a CIA.

Este último item -- o estímulo às análises independentes -- foi o que mais chamou a atenção. Alguns veteranos do setor de inteligência receiam que Petraeus, de 58 anos, tenha dificuldades para passar da função de comandante, na qual precisava adotar e promover uma certa estratégia militar, para a de chefe de inteligência, em que precisa oferecer análises objetivas sobre perspectivas e resultados políticos.

A CIA disse que Petraeus também respondeu a perguntas dos funcionários sobre seu estilo de liderança, suas metas para a CIA e a relação da agência com os mais de doze outros órgãos que constituem a "comunidade" norte-americana de inteligência.

Obama convocou Petraeus a assumir a CIA como parte de uma grande reforma da sua equipe de segurança nacional, o que inclui a transferência de Leon Panetta da CIA para a chefia do Pentágono.

Atribui-se a Petraeus um papel importante na reviravolta em prol dos EUA na guerra do Iraque, e também na execução da atual estratégia de Obama no Afeganistão, destinada a conter a insurgência do Taliban e abrir caminho para uma futura retirada das tropas.

Petraeus assume a CIA a menos de uma semana do décimo aniversário dos atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington, que levaram os EUA a um prolongado conflito contra a Al Qaeda e seus aliados islâmicos.

O ex-general agradeceu Obama pela "extraordinária" oportunidade, e Biden dedicou elogios a Petraeus -- que vestia terno no seu primeiro dia como chefe da agência civil de espionagem.

"O senhor comandou e treinou a geração do 11 de Setembro para se tornar o maior grupo de guerreiros que este país já viu", disse Biden.

Ainda não está claro como Petraeus irá se contrapor à noção de que existe uma crescente "militarização" da CIA.

(Reportagem adicional de Phil Stewart e Mark Hosenball)

Mais conteúdo sobre:
EUA PETRAEUS CIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.