Plano de Obama também é orientado para longo prazo, diz Summers

Gastar dinheiro público somente para estimular os consumidores a gastar seria um sinal de falta de visão, disse neste domingo um dos principais assessores econômicos do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama. Lawrence Summers, um ex-secretário do Tesouro que foi indicado para chefiar Conselho Nacional de Economia da Casa Branca, disse que são necessárias incluem desde a criação imediata de empregos e até os necessários investimentos de longo prazo. "Nesta crise, fazer pouco concorre a ser mais perigoso do que fazer demais", escreveu Summers em coluna do jornal Washington Post. "Alguns argumentam que, em vez de cuidar simultaneamente da criação de empregos e dos investimentos de longo prazo, nós deveríamos nos concentrar apenas em políticas de horizonte mais curto, que incentivam o consumo", disse Summers. "Mas essa proposta leva em conta alguns dos desafios que nós enfrentamos hoje - e essa proposta que precisamos rejeitar se pretendemos fortalecer nossa classe e nossa economia no longo prazo". Obama tem dito que um plano de estímulo econômico de maior porte será sua principal prioridade quando ele assumir a Casa Branca, em 20 de janeiro. Seus assessores estão trabalhando com o Congresso na tentativa de obter aprovação a um pacote imediatamente. (Reporting by Emily Kaiser)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.