Polícia acha textos anarquistas junto a ricina em hotel nos EUA

Autoridades de Las Vegas dizem que não há sinal de ameaça terrorista no caso da vítima de ricina

EFE,

01 de março de 2008 | 15h07

Após investigações das autoridades de Las Vegas foram encontrados textos anarquistas e armas junto ao tubo de ricina. Este veneno mortal estava no quarto de hotel de um homem, agora internado em estado grave pelo efeito da toxina.   "A investigação continua", disse o capitão da Polícia Metropolitana de Las Vegas, Joseph Lombardo, enquanto ainda se busca esclarecer melhor os detalhes sobre o incidente.   A subchefe da Polícia, Kathy Suey, disse que o homem, hospedado no Extended Stay America, deu entrada no hospital em 14 de fevereiro depois de pedir ajuda por ter dificuldades para respirar.   A ricina é um veneno extraído das sementes da mamona, das quais também é extraído o óleo de rícino, usado com fins medicinais. Pode ser líquida, em pó ou em cristais.   A toxina, segundo o Centro para o Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, é muito poderosa, já que apenas 500 microgramas podem matar um adulto.   O veneno se introduz nas células do corpo e impede que estas produzam as proteínas de que necessitam.   No dia 28 de fevereiro, um homem de 53 anos cujo nome também não foi divulgado e que diz ser parente e amigo do paciente foi retirar seus pertences e encontrou um tubo com o conteúdo estranho e o entregou à gerência do hotel.   Foi quando a unidade de materiais tóxicos da Polícia, a Guarda Nacional e o FBI (Polícia federal americana) se dirigiram ao hotel.   Como o segundo homem estava hospedado no Hotel Excalibur uma noite antes de ir ao Extended Stay America, as autoridades também investigaram o outro hotel, mas não foram encontrados materiais suspeitos.   "Quero assegurar a todos que Las Vegas está em segurança", disse Lombardo.   "Não temos uma ameaça terrorista neste momento", garantiu.

Tudo o que sabemos sobre:
veneno,ricina, EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.