Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Polícia atira em homem negro em Wisconsin e Estado americano tem noite de protestos

Jacob Blake levou vários tiros dentro de seu próprio carro; candidato Joe Biden se manifestou

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2020 | 04h24

KENOSHA, WISCONSIN - Protestos contra a violência policial eclodiram no estado americano de Wisconsin após mais uma ação policial que culminou em violência contra um homem negro na cidade de Kenosha. Câmeras filmaram o momento em que policiais disparam pelo menos sete vezes contra Jacob Blake, na tarde do domingo, 23.

O caso aconteceu por volta das 17 horas (hora local) enquanto os oficiais respondiam a um "incidente doméstico". Após os disparos, a vítima foi imediatamente levada para um hospital, de acordo com um comunicado divulgado pelo departamento de polícia da cidade. Ele foi levado para o Hospital Froedtert, em Milwaukee, e está internado em estado grave.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento exato dos disparos. Abordado pelos políciais, com armas em punho, Blake caminha até seu carro, acompanhado de perto. Ao abrir a porta, o americano é alvejado por um dos policiais, que faz pelo menos sete disparos contra ele.

De acordo com ativistas da comunidade afroamericana, os filhos de Blake estavam no carro no momento dos disparos. O Departamento de Justiça de Wisconsin não deu nenhuma explicação sobre o que levou à ação dos policiais.

Postagens nas redes sociais mostraram grandes multidões marchando pelas ruas e jogando coquetéis molotov e tijolos contra a polícia. As autoridades responderam com a imposição de um toque de recolher em toda a cidade até às 7h desta segunda-feira, 24.

Há protestos em andamento nos Estados Unidos contra a brutalidade policial e o racismo desde a morte, em 25 de maio, de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, depois que um policial branco se ajoelhou em seu pescoço por quase nove minutos.

Biden condena episódio

O candidato democrata Joe Biden emitiu uma declaração oficial sobre o caso. "Esta manhã, a nação acorda mais uma vez com pesar e indignação por mais um americano negro vítima de força excessiva. Isso exige uma investigação imediata, completa e transparente e os policiais devem ser responsabilizados", escreveu. 

"Justiça igualitária não tem sido real para afro-americanos e tantos outros. Estamos em um ponto de inflexão", disse o candidato. "Devemos desmantelar o racismo sistêmico. É a tarefa urgente diante de nós".

O candidato afirmou ainda que os tiros 'perfuram a alma da nossa nação'. E afirmou que ele e sua mulher, Jill, irão fazer orações pela recuperação de Jacob e por seus filhos. /Com informações da Reuters e Washington Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.