Polícia de NY reforça segurança de igrejas após protestos na Líbia

A polícia de Nova York reforçou a segurança das igrejas cristãs coptas na cidade por preocupação com uma eventual disseminação dos protestos no Egito e na Líbia contra um filme produzido nos Estados Unidos criticando o islã.

Reuters

12 de setembro de 2012 | 16h39

O departamento de polícia disse "não ter evidência de qualquer ataque planejado contra alvos na cidade", mas tomou a precaução extra com base em "relatos de que cristãos coptas estavam ligados de alguma forma com o vídeo".

O vídeo, chamado "Inocência dos Muçulmanos", retrata o profeta Maomé como um mulherengo, um homossexual e um molestador de crianças, o que provocou a ira de muitos muçulmanos e causou um ataque à missão diplomática dos EUA na Líbia, no qual foi morto o embaixador norte-americano e três funcionários consulares.

Ainda não há certeza sobre quem fez o filme, apesar de um de seus principais divulgadores ser um cristão egípcio que vive nos Estados Unidos, Morris Sadek. Ele disse na quarta-feira que não considerava o vídeo uma ofensa ao islã.

A igreja copta ortodoxa do Egito condendou alguns coptas que vivem no exterior, que, segundo a igreja, financiaram "a produção de um filme que insulta o profeta Maomé", de acordo com um site de notícias estatal do Egito.

Os cristão coptas, que formam o maior grupo entre as minorias do Egito e representam a maior parte dos quase 10 por cento de cristãos da população egípcia, têm um relacionamento há bastante tempo conturbado com a avassaladora maioria muçulmana.

Desde a deposição do ex-presidente egípcio Hosni Mubarak, os cristãos têm se preocupado cada vez mais com um aumento nos ataques a igrejas, que segundo eles são de responsabilidade de radicais islâmicos.

Nova York tem cinco igrejas coptas, duas delas na Staten Island e outras em Manhattan, Brooklyn e Queens, de acordo com o site da Igreja Copta Ortodoxa.

(Reportagem de Paul Thomasch e Cynthia Johnston)

Tudo o que sabemos sobre:
EUANYSEGURANCALIBIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.