Polícia desmonta acampamento anti-Wall Street em Boston

A polícia desmontou o acampamento anti-Wall Street do distrito financeiro de Boston na manhã deste sábado, prendendo 47 pessoas em uma das poucas grandes cidades norte-americanas onde as autoridades ainda não haviam expulsado os manifestantes.

LAUREN KEI, REUTERS

10 de dezembro de 2011 | 16h03

Na maior parte a ação foi pacífica e mais de 100 policiais entraram na área antes do amanhecer, quando muitos dos acampantes ainda estavam dormindo, e interditou as ruas. Segundo a polícia de Boston, 33 mulheres e 14 crianças foram detidas, principalmente por invasão de propriedade.

O fim do acampamento, montado na pequena área verde em frente ao Federal Reserve (banco central norte-americano) de Boston e a principal estação de trem da cidade, ocorreu sem a violência vista em algumas das cidades durante o movimento de protesto de três meses, que começou com o Ocupe Wall Street de Nova York.

A polícia de Boston não estava usando capacetes ou equipada para enfrentar tumultos, e não levantou as armas contra os manifestantes, muitos dos quais permaneceram sentados com os braços entrelaçados. Outros acampantes fugiram do local durante a operação.

Em coletiva de imprensa na sede da polícia neste sábado, o prefeito de Boston, Thomas Menino, elogiou o trabalho dos manifestantes e a moderação dos manifestantes durante a retirada da ocupação.

"Em nome da segurança pública, tivemos que agir", afirmou Menino, acrescentando que a cidade impediria qualquer tentativa para montar o acampamento em outra parte da cidade. O prefeito disse que a polícia realizou a operação no início da manhã porque menos manifestantes estavam presentes nesse horário.

"Isso não acabou, está apenas mudando", disse o representante da polícia de Boston, Ed Davis, sobre o movimento. A polícia irá monitorar uma assembleia geral planejada pelos manifestantes no Boston Common, uma área verde de aproximadamente 20 hectares localizada no centro da cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABOSTONDESOCUPA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.