Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Polícia divulga imagens de atirador de shopping nos EUA

Em três frames, adolescente pode ser visto levantando um rifle do tipo AK-47 e atirando contra vitrine

Associated Press,

07 de dezembro de 2007 | 19h15

As primeiras imagens revelando o ataque de um atirador americano contra um shopping center na cidade de Omaha, captadas na última quarta-feira pelas câmaras de segurança do empreendimento, foram divulgas nesta sexta-feira, 7.  Nos três frames divulgados pela polícia, o adolescente de cabelos revoltos pode ser visto levantando um rifle do tipo AK-47 e atirando contra a vitrine de uma loja de departamento.  No episódio, o jovem Robert A. Hawkins matou oito pessoas e depois se suicidou dentro do shopping Von Maur. A seqüência de imagens mostra Hawkins entrando no shopping desarmado, vestindo óculo e uma camisa de zíper aberta sobre o que parece ser uma camiseta com o símbolo do whisky Jack Daniels. Seis minutos depois, ele volta e passa por uma entrada decorada com temas natalinos, desta vez aparentando levar algo por debaixo das roupas. Na última imagem, Hawkins é visto com as mangas da camisa arregaçadas e portando um rifle AK-47.  As imagens parecem contradizer as primeiras informações de que o atirador usava um corte de cabelo de estilo militar e que teria entrado no shopping usando uma roupa camuflada. Momentos após Hawkins entrar no shopping, as autoridades teriam recebido diversas chamadas telefônicas sobre o tiroteio. Uma delas veio de Jodi Longmeyer, gerente de recursos humanos que se escondeu dentro de um quartinho numa loja e, angustiada, fez a ligação. Ela viu o atirador sair do elevador, no terceiro andar, sacar a arma e fazer os disparos. Ele estava vestido de preto. Minutos depois, tremendo e muito assustada, Jodi conseguiu ir a uma das salas da segurança, onde descreveu o que viu direto das câmeras de vigilância. "Meu Deus! Parece que ele se suicidou", disse, aos gritos enquanto chorava.  As vítimas assassinadas foram identificadas como Gary Scharf, 48, John McDonald, 65, Angie Schuster, 36, Maggie Webb, 24, Janet Jorgensen, 67, Dianne Trent, 53, Gary Joy, 56, e Beverly Flynn, 47. Os parentes de Janet Jorgensen disseram nesta sexta-feira que se reuniram logo após a tragédia no departamento de polícia para rezar pelas vítimas e seus familiares, incluindo os do assassino. Passado conturbado Policiais e conhecidos de Hawkins disseram que ele teve um passado conturbado. Recentemente, terminou o namoro com uma garota e perdeu o emprego. Conhecidos afirmam que o rapaz era usuário de drogas e já havia sofrido de depressão. Hawkins passou quatro anos em diversos centros de tratamento antes de tentar matar sua madrasta, em 2002. Em agosto de 2006, foi libertado. Após rever a câmera do circuito interno, uma carta suicida e as últimas conversas com seus entes queridos, a polícia afirmou que não sabe - e talvez nunca saiba - exatamente o que levou Hawkins a entrar no shopping e abrir fogo. Cerca de uma hora antes do tiroteio, o rapaz ligou para Débora Maruca-Kovac, a mulher que, com seu marido, deu abrigo a Hawkins, pois este não tinha nenhum outro lugar para viver. Ele disse a mulher que havia escrito uma carta suicida. No papel, Hawkins pediu "desculpas por tudo" e afirmou que não seria mais um "fardo" para sua família. Matéria ampliada às 20h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.