Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Michael Reynolds/EFE
Michael Reynolds/EFE

Pompeo viaja a Bruxelas para discutir recuo do Irã no pacto nuclear

Presidente do Irã anunciou o recuo em alguns pontos do acordo firmado em Viena, cujo objetivo era impedir que o país adquirisse um arsenal atômico

EFE, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2019 | 04h30

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, viaja para Bruxelas nesta segunda, 13, a fim de conversar com funcionários da União Europeia (UE) sobre o Irã

A viagem inesperada de Pompeo - que cancelou sua ida prevista para Moscou - acontece em um momento delicado para o pacto nuclear de 2015 assinado pelo Irã, Rússia, China, UE, França, Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos - que se retirou de maneira unilateral em 2018. 

Em 8 de maio, o presidente do Irã, Hasan Rohaní, anunciou o recuo do país em alguns pontos do acordo firmado em Viena, cujo objetivo era impedir que a República Islâmica adquirisse um arsenal atômico

Rohaní também deu um ultimato de 60 dias para que Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha garantissem ao menos as transações bancárias iranianas e as exportações de petróleo. 

A UE tem adotado uma série de medidas para contrapor as sanções que Washington impôs ao Irã no último ano, com o objetivo de isolar economicamente o país. Entretanto, as iniciativas europeias não têm surtido efeito. 

Para aumentar a pressão contra o Irã, o governo de Donald Trump impôs na última quarta sanções sobre as importações de ferro, aço, alumínio e cobre. Além disso, já há sanções sobre os setores bancário e petroleiro.

A previsão é que após o encontro em Bruxelas, Pompeo vá à Rússia. Lá, o americano se reunirá com embaixadores americanos baseados, líderes de negócios e antigos alunos de um programa de intercâmbio e participar de uma cerimônia em homenagem aos combatentes que morreram durante a Segunda Guerra Mundial. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.