Porcos transmitem gripe a duas crianças nos EUA

Duas crianças norte-americanas foram contaminadas nos últimos dois meses com gripes oriundas de porcos, e uma análise de ambos os vírus mostrou que eles contêm material genético do vírus da cepa A (H1N1), responsável pela pandemia de 2009, disseram pesquisadores do governo nesta sexta-feira.

JULIE STEENHUYSEN, REUTERS

02 Setembro 2011 | 19h31

Eles emitiram um alerta a profissionais da saúde para que fiquem atentos a vírus suspeitos, porque cepas que fazem a passagem de uma espécie para outra são especialmente perigosos, já que podem intercambiar genes e dar origem a um vírus totalmente novo.

Em ambas as crianças -- uma de Indiana, a outra da Pensilvânia -- uma análise dos vírus mostrou que eles continham um gene do vírus pandêmico de 2009, segundo relatório do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos EUA.

"Vírus pandêmicos começam quando eles se recombinam e emergem como um novo vírus. Por isso precisamos observar atentamente novos vírus da influenza conforme eles surgem", disse Tom Skinner, porta-voz do CDC.

"Eles estão constantemente mudando, e por isso precisamos ter sistemas de vigilância realmente bons em funcionamento para detectá-los quando eles emergem", afirmou.

Até agora, o novo vírus não parece ser facilmente transmissível entre humanos, mas Skinner disse que o CDC ainda está investigando.

Desde 2005, houve pelo menos 22 casos notificados de infecção humana por gripes de origem suína, semelhantes aos que estão sendo relatados agora, segundo Skinner. Todas essas pessoas se recuperaram.

Um dos novos casos é de um menino de Indiana que havia sido vacinado contra gripe em setembro, mas mesmo assim apresentou febre, tosse, falta de ar, diarreia e dor de garganta no final de julho. Os exames iniciais detectaram um vírus tipo A, e outros testes indicaram a origem suína.

Segundo o CDC, o menino não havia tido contato com porcos, mas uma funcionária de uma creche que ele frequentava teve.

O outro caso é de uma menina de 5 anos da Pensilvânia que também foi vacinada contra a gripe no ano passado, e em agosto teve uma suspeita de contaminação pelo vírus A (H3N2), de origem suína.

Exames posteriores confirmaram que sua gripe havia tido origem em porcos, provavelmente depois de ela ter contato com esses animais numa feira agrícola.

Mais conteúdo sobre:
EUA GRIPE PORCOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.