'Posso ser magro, mas sou durão', alerta Barack Obama

Presidente dos EUA manda recado à oposição após ser criticado por inércia e viés 'socialista' no governo

Reuters,

27 de outubro de 2009 | 08h32

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, mandou uma mensagem para seus amigos e inimigos políticos nesta segunda-feira, 26, ao afirmar que "só porque sou magro não significa que não seja durão".

 

Obama estava em Miami levantando 1,5 milhão de dólares para candidatos democratas ao Congresso nas eleições de 2010, nas quais os democratas pretendem manter a maioria na Câmara e no Senado.

Depois de semanas em que ele foi duramente criticado por alguns membros da oposição, ao ponto de criarem um cartaz onde ele era retratado com um bigode de Hitler, Obama disse que alguns de seus simpatizantes se mostraram preocupados com ele.

"Eu tentei explicar... só porque sou magro não significa que não seja durão. Eu não tremo. Eu não vou recuar, porque agora é a hora de continuarmos com todas aquelas coisas que sabemos que precisam ser feitas, mas que não foram feitas em décadas", afirmou.

O presidente teve palavras duras para os críticos republicanos, que acusou de não estarem ajudando a solucionar alguns dos problemas que aumentaram enquanto eles tinham o controle da Casa Branca e do Congresso.

"Ultimamente eu sinto como se alguém tivesse feito uma grande sujeira e eu pego meu esfregão e fico esfregando o chão e o pessoal que fez a bagunça fica lá, dizendo 'você não está esfregando rápido o bastante. Você não está esfregando direito. É um esfregão socialista.'"

Obama também usou os discursos em dois eventos políticos de Miami para contestar a noção de que ele tinha feito pouco em nove meses de governo.

Ele apresentou uma série de conquistas legislativas, começando com o estímulo econômico de 787 bilhões de dólares para acabar com a hemorragia na economia norte-americana. Os republicanos, no entanto, alegam que a soma fez pouco para conter a taxa de 9,8% de desemprego nos EUA.

Entre os itens citados por Obama estavam levantar a proibição de Bush de usar fundos federais para a pesquisa com células-tronco, aprovar a lei que garante às mulheres pagamentos iguais aos dos homens em locais de trabalho, banir a fraude, endurecer a regulação dos cartões de crédito e tentar instalar no país um programa de saúde universal.

Internacionalmente, Obama disse que colocou os EUA no caminho para tirar as tropas do Iraque e que estava trabalhando em uma nova estratégia no Afeganistão. "Aqui vai minha mensagem para vocês. Estamos apenas começando", disse. 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamamagrodurão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.