Potências estão prontas para responder se Irã atender a questão nuclear, diz Kerry

As grandes potências estão prontas para responder se o Irã comparecer às negociações nucleares em 26 de fevereiro disposto a resolver suas questões sobre programa nuclear, disse o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, nesta sexta-feira.

Reuters

08 de fevereiro de 2013 | 19h47

As potências --Grã-Bretanha, China, França, Alemanha, Rússia e os Estados Unidos-- se reunirão com os negociadores iranianos em Almaty, no Cazaquistão, no final deste mês para ver se há uma maneira de resolver as preocupações do Ocidente sobre o programa nuclear iraniano.

Os Estados Unidos e seus aliados suspeitam que o Irã esteja usando seu programa civil para acobertar o desenvolvimento de armas nucleares. O Irã nega essa acusação e afirma que seu programa nuclear tem finalidade pacífica, como a geração de eletricidade e produção de isótopos médicos.

"A comunidade internacional está pronta para responder se o Irã for preparado para falar de fatos substanciais e resolver os problemas, algo que não poderia ser mais claro, sobre seu programa nuclear", disse Kerry em um pronunciamento durante uma entrevista à imprensa, ao lado do chanceler canadense, John Baird.

Kerry, que substituiu Hillary Clinton no cargo em 1o de fevereiro, expressou preocupação com o anúncio recente do Irã de planos para instalar e operar máquinas avançadas de enriquecimento de urânio, um salto tecnológico que lhe permitiria acelerar a atividade de forma significativa. Países ocidentais temem que essa tecnologia possa ser deslocada para o desenvolvimento de uma arma nuclear.

"É preocupante", disse Kerry. "Então, o meu apelo aos iranianos - ou minha declaração - é uma declaração clara: Estamos preparados para deixar que a diplomacia seja a vencedora nesta disputa sobre o programa nuclear deles."

(Reportagem de Arshad Mohammed)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAKERRYIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.