Pré-candidatos republicanos à Casa Branca vão a debate na TV

Rick Perry chega ao debate desta quinta-feira entre os pré-candidatos republicanos à presidência dos EUA buscando se distanciar do rival Mitt Romney e se posicionar como um candidato capaz de derrotar o presidente Barack Obama, do Partido Democrata, na eleição de 2012.

STEVE HOLLAND, REUTERS

22 Setembro 2011 | 10h45

Perry, Romney e outros pré-candidatos menos expressivos fazem na noite desta quinta-feira o terceiro debate interno. Governador do Texas e favorito do movimento conservador Tea Party, Perry desponta como líder nas pesquisas, ligeiramente à frente de Romney, ex-governador de Massachusetts, com bom trânsito entre os republicanos moderados.

O clima entre os republicanos é de entusiasmo com o cenário eleitoral para 2012, já que Obama enfrenta níveis reduzidos de aprovação, por causa da crise econômica, do déficit e endividamento do governo e do desemprego que teima em se manter em torno dos 9 por cento.

Perry tem causado espanto entre eleitores moderados ao comparar, por exemplo, a Previdência Social a um "esquema de pirâmide" e ao qualificar Ben Bernanke, presidente do Fed (Banco Central), de "quase traidor".

"Ainda acho que ele precisa baixar o tom de algumas das suas arestas", disse o analista político republicano Ary Fleischer, que foi porta-voz do ex-presidente George W. Bush. "Concorrer a presidente é diferente de concorrer a governador. As pessoas querem ter uma sensação de inspiração e também de atração ideológica."

Romney tenta mostrar que Perry é radical demais para ser presidente, enquanto Perry busca retratar seu rival como sendo parecido demais com Obama. Os dois devem voltar a se contrapor no debate em temas como previdência, saúde pública e criação de empregos.

Pesquisa USA Today/Gallup divulgada na quarta-feira mostrou Perry com 31 por cento das intenções de voto para o processo de eleições primárias republicanas, e Romney com 24 por cento.

"Precisamos escolher alguém que firme uma diferença clara entre o candidato republicano e o presidente Obama", disse Perry ao canal de TV Fox News. "E acho que eu sou essa pessoa capaz de delinear claramente as diferenças. Não precisamos indicar um 'Obama light'. Não precisamos indicar alguém que vai borrar os limites entre o presidente Obama e o nosso indicado."

Os dois principais pré-candidatos elevaram o tom da sua retórica nos últimos dias, e novos petardos são esperados para o debate na Flórida, onde a questão previdenciária é particularmente importante por causa da grande quantidade de eleitores idosos.

O debate de duas horas, patrocinado pela Fox News e pelo Google, começa às 22h (hora de Brasília).

Mais conteúdo sobre:
EUAREPUBLICANOSDEBATE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.