Pré-candidatos republicanos trocam acusações em debate nos EUA

Giuliani acusa Mitt Romney de empregar ilegais em casa; ex-prefeito de NY lidera enquetes de popularidade

Efe,

29 de novembro de 2007 | 04h04

Oito aspirantes republicanos à Presidência dos Estados Unidos mostraram divergências sobre o tema da imigração, mas concordaram em não dar uma anistia aos cerca de 12 milhões de estrangeiros que vivem ilegalmente neste país. Os pré-candidatos se enfrentaram em um áspero debate em Saint Petersburg (Flórida), transmitido ao vivo para todo o país pela rede de televisão CNN. A principal troca de farpas foi entre o ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani e o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney. Giuliani acusou Romney de empregar em sua casa imigrantes ilegais. Além disso, denunciou que o rival incentivou cidades de refúgio para estrangeiros ilegais em seu estado. "O senhor empregou trabalhadores ilegais na sua mansão, não é verdade?", perguntou o ex-prefeito. Ele afirmou que, se chegar à Casa Branca após as eleições de novembro de 2008, imporá uma política para reduzir a entrada de imigrantes ilegais no país. Romney rejeitou a acusação. Mas ressaltou que não combina com o espírito americano exigir papéis de uma pessoa "só porque ela tem um sotaque estranho". Antes, Romney havia denunciado que, quando foi prefeito de Nova York, Giuliani transformou a cidade em um refúgio para estrangeiros em situação ilegal. "Mitt geralmente critica outras pessoas quando se trata de problemas nos quais ele mesmo tem piores antecedentes", rebateu Giuliani. Ele afirmou que denunciou às autoridades federais milhares de imigrantes ilegais acusados de cometer crimes na cidade. Giuliani lidera as enquetes de popularidade entre os aspirantes republicanos à candidatura presidencial, seguido muito de perto por Romney. Cidadania para ilegais O ator Fred Thompson, ex-senador pelo estado do Tennessee, criticou a Romney por apoiar um projeto que conta com o apoio do presidente George W. Bush e oferece a cidadania a alguns imigrantes que entraram ilegalmente ao país.  Thompson também alfinetou a Giuliani por ter denunciado o ex-governador. "Acho que todos nós já empregamos algum trabalhador ilegal. Essa foi uma má decisão", disse. O senador do Arizona, John McCain, defendeu seu apoio a um fracassado projeto de reforma migratória que incluía a possibilidade de naturalização, assim como um programa para trabalhadores temporários. "Devemos reconhecer que eles também são filhos de Deus", disse o senador. "Eles precisam do nosso amor e da nossa compaixão", acrescentou, rejeitando porém uma anistia e prometendo "sem demagogias" fazer respeitar as fronteiras se eleito presidente. Perguntas pelo YouTube Segundo a CNN, cerca de 5 mil perguntas foram enviadas por eleitores através do site YouTube, mas só pouco mais de 30 foram lidas no debate. Também participaram o ex-governador de Arkansas Mike Huckabee e os congressistas Ron Paul (Texas), Tom Tancredo (Colorado) e Duncan Hunter (Califórnia). Os pré-candidatos republicanos também mostraram variações em temas como o apoio à Guerra do Iraque, a política econômica do governo do presidente George W. Bush, a luta contra o terrorismo, a posse de armas, o aborto, a religião e a pesquisa de células-tronco.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleições presidenciais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.