Prefeito de Detroit é acusado de relacionamento com assistente

Kwame Kilpatrick é indiciado formalmente por perjúrio após descoberta de troca de mensagens com assistente

Associated Press,

24 de março de 2008 | 14h47

O prefeito de Detroit, Kwame Kilpatrick, foi acusado formalmente nesta segunda-feira, 24, de perjúrio e outras alegações depois da descoberta de mensagem de textos que contradizem as constantes negações do prefeito sobre um possível relacionamento com uma assistente. Christine Beatty, de 37 anos, chefe do gabinete do prefeito, já havia negado sob juramento o suposto relacionamento com Kilpatrick em 2002 e 2003, e também foi acusada de perjúrio e obstrução da justiça.   O promotor público Kym Worthy, de Wayne, também acusou o popular prefeito de obstrução da justiça e conduta inadequada. Se condenado, Kilpatrick pode pegar 15 anos de prisão e ser expulso do cargo. Worthy começou suas investigações após a agência Free Press publicar trechos de mensagens de texto, enviadas por celular, trocadas por Kilpatrick e sua assistente, que mostravam um diálogo sexualmente explícito.   "Estou loucamente apaixonado por você", disse o prefeito a Christine, numa das mensagem divulgadas, com data de 3 de outubro de 2002. "Eu espero que você continue assim por um longo tempo. Se você ainda não percebeu, eu também estou apaixonada por você", respondeu a assistente em outra mensagem. Kilpatrick é casado e tem três filhos. Na época das mensagens, a assistente, que tem dois filhos, também estava casada.   "Alguns afirmam que os problemas neste caso são pessoais ou privados", disse o promotor. "Mas nossas investigações mostram claramente que o dinheiro público foi usado, vidas foram arruinadas e a justiça foi severamente ridicularizada", afirmou Worthy. As acusações podem indicar o fim da administração pública de Kilpatrick, o prefeito mais novo já eleito em Detroit, uma das maiores cidades dos Estados Unidos.   Nos EUA, perjúrio é um crime doloso, passível de pena de até 15 anos de prisão. Os pedidos para a renúncia do prefeito começaram em janeiro, e na semana passada o Conselho Municipal de Detroit pediu o afastamento de Kilpatrick.   Os advogados do prefeito não comentaram o caso. Na semana passada, Kilpatrick declarou que não cogita a renúncia. Quando o escândalo veio a público, o prefeito disse que espera ser inocentado.  

Tudo o que sabemos sobre:
Prefeito de Detroitescândalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.