Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Prêmio Nobel da Paz, Norman Borlaug morre aos 95 anos

Norman Borlaug, cientista da área de agricultura norte-americano e Prêmio Nobel da Paz de 1970 por desenvolver técnicas de plantio para evitar a fome no mundo em desenvolvimento, morreu aos 95 anos, disse a Universidade Texas A&M.

WILL DUNHAM, REUTERS

13 de setembro de 2009 | 17h34

Borlaug, celebrado como uma figura central na "revolução verde" que disponibilizou mais alimentos para os famintos do mundo, morreu na noite de sábado de complicações de um câncer em Dallas, informou a universidade em um comunicado.

A "revolução verde" - o desenvolvimento de colheitas como as de trigo, com produção maior do que as variedades tradicionais - ajudou a evitar grandes crises de fome previstas para os países em desenvolvimento na segunda metade do século 20.

Borlaug atuou como professor de destaque de agricultura internacional da Universidade Texas A&M, localizada em College Station, no Texas.

Especialistas dizem que sua cruzada para desenvolver culturas de alta produtividade e resistência a desastres salvou as vidas de milhões de pessoas ao redor do mundo, que de outra maneira poderiam ter sido condenadas à inanição.

Borlaug recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1970, e em 2007 foi agraciado com a Medalha de Ouro do Congresso, a mais alta honraria concedida a um civil nos Estados Unidos.

"Todos nós comemos pelo menos três vezes por dia nas nações privilegiadas, e ainda assim não damos o devido valor ao alimento", disse Borlaug em entrevista recente. "Houve muito progresso e o alimento é distribuído de maneira mais igualitária. Mas a fome é um lugar comum e aparece com muita freqüência em larga escala", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMORRENOBELBORLAUG*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.